Rock ‘n’ Law: mas, afinal, quem são os “Audiência Prévia”?

Este ano, a 10 ª edição do Rock ‘n’ Law abre com uma banda de... Juízes. Sete músicos que se juntaram em 2016, inspirados pelo próprio evento de advogados. Conheça os Audiência Prévia.

A banda integra sete músicos, uma manager incansável e uma fotógrafa. Nasceram em 2016, “um bocado à conta do Rock ‘n’ Law”. E é precisamente na 10ª edição que se estreiam, a abrir o palco da arena do Campo Pequeno.

O evento é já dia 26 de outubro e conta com o ECO/Advocatus como media partner. Os donativos podem ser feitos aqui: www.easypay.pt/form/?f=APCL-Donativo-Rocknlaw e os bilhetes para a noite de festa podem ser adquiridos aqui: www.easypay.pt/form/?f=APCL-Evento-RocknLaw

Juntam-se, pelo menos uma vez por mês, para tocarem, na sede Associação Sindical dos Juízes Portugueses. Já que um dos membros da banda é o próprio presidente do sindicato dos quase dois mil magistrados judiciais do país. Desde 2016, os “Audiência Prévia” já deram quatro concertos. “Eu tinha estado no RnL e tinha achado interessante que os advogados tivessem bandas, que tocassem juntos e que fizessem um festival como com um propósito solidário”, explica a magistrada Eleonora Viegas, em conversa com a Advocatus. “E achei que esse conceito era a nossa cara. A ideia foi minha e a inspiração foi essa sim”, explica a juíza colocada no Tribunal de Propriedade Intelectual de Lisboa e que é também a manager da banda.

Tudo começou quando a magistrada conversava com a colega Mariana Coimbra Piçarra – na altura colocadas no Tribunal de Comércio de Lisboa – já que a atual vocalista da banda já não era novata nestas andanças. Mariana tinha feito parte da primeira e segunda edição do evento, quando era advogada estagiária na Cuatrecasas. “A Mariana cantava muito bem e já tinha participado no RnL em 2009 e 2010”, explica a manager.

“Íamos falando de gostos e de hobbies e de coisas que gostávamos de fazer para além dos processos e eu confessei que era uma artista frustrada e que gostava era de ser cantora” (risos), explica a vocalista dos Audiência Prévia. “A Eleonora achou a ideia muito boa e tratou de reunir e ver quem poderia fazer parte da banda. Achei a ideia hercúlea mas disse ‘tudo bem, vamos a isso’. Nunca pensei que fosse possível tão cedo e tão rápido”, diz a magistrada do Tribunal de Beja.

“E então este ano de repente recebo o telefonema do Dr. Francisco Proença de Carvalho a perguntar se queríamos participar. Nesta edição!”, diz a magistrada do Tribunal de Propriedade Intelectual. “O ano passado não conseguimos participar, mas este ano já vamos conseguir e estamos mesmo muito contentes até porque é a comemoração dos 10 anos de RnL”. E acrescenta: “estamos sempre disponíveis para intervir civicamente e na luta contra o cancro ainda mais, porque nunca somos de mais numa causa tão abrangente. O projeto Casa Segura é muito importante e muito necessário e espero genuinamente que o nosso contributo ajude a melhorar”, concluiu a magistrada.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rock ‘n’ Law: mas, afinal, quem são os “Audiência Prévia”?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião