Banco de Portugal diz que o crédito pesa pouco na compra de casa. Principalmente em Lisboa e no Algarve

Apesar do aumento do novo financiamento, o saldo do crédito para a casa continua baixo. Comparando com as transações de imóveis, percebe-se que o peso do crédito na compra de casas pesa pouco.

O mercado imobiliário está ao rubro. Vendem-se e compram-se casas a um ritmo acelerado, mas poucas com recurso a financiamento bancário. Olhando para o número de imóveis comercializados, mas também para os empréstimos concedidos, o Banco de Portugal nota que o crédito continua a ter um peso diminuto nestas transações — apesar de ter aumentado nos últimos anos. Sinaliza, diz, um aumento das compras a pronto, movimento explicado pelo turismo. Um fenómeno mais expressivo em Lisboa e no Algarve.

O mercado da habitação está a apresentar um elevado dinamismo e isso está associado não apenas aos fatores mais tradicionais — condições de financiamento mais favoráveis ou melhoria da situação financeira global das famílias e da economia em geral –, mas também ao aumento do turismo e à procura de imóveis por parte de não residentes“, afirma a instituição liderada por Carlos Costa, no âmbito do Boletim Económico, publicado esta quinta-feira.

De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), citados pelo Banco de Portugal, com a chegada da troika a Portugal, o mercado imobiliário afundou. Sem crédito, as vendas e compras de imóveis deslizaram, atingindo mínimos por altura da “saída limpa” do programa de assistência financeira. Mas desde então, a tendência inverteu-se. E de forma expressiva, levando a crescimentos de dois dígitos tanto no número de operações como do valor das mesmas.

Seguindo este movimento do mercado, o crédito à habitação afundou. E, em 2015, com o imobiliário a recuperar, assistiu-se ao rácio mínimo entre transações e empréstimos para realizar essas mesmas operações. “O rácio entre o montante de novos empréstimos e o montante das vendas registou uma redução acentuada” até 2015 (barra amarela do segundo gráfico), acabando, nesse ano, por inverter a tendência de forma ligeira, lê-se no Boletim Económico.

Vendas recuperam, crédito também (mas menos)

Fonte: INE

Para o conjunto do país, o rácio entre empréstimos e vendas passou de 0,66 em junho de 2010 para um valor mínimo de 0,26 em junho de 2015, terminando em 0,34 em junho deste ano. “Esta evolução aponta para uma redução da importância do financiamento bancário a particulares nos desenvolvimentos do mercado da habitação em Portugal“, diz o Banco de Portugal.

Rácio entre crédito e vendas mantém-se baixo

Fonte: INE

Mais casas pagas a pronto. É o turismo

Porquê que se assiste a uma redução do peso do financiamento na compra de habitação? Por um lado, o Banco de Portugal aponta para a mudança que a crise ditou na forma como os bancos concedem crédito para a compra de habitação, deixando de emprestar a totalidade do valor. “Pode refletir um aumento do valor médio das vendas relativamente ao valor médio dos empréstimos”, diz no Boletim Económico, apontando para a “uma redução da percentagem do valor de aquisição que é financiada com crédito bancário”.

Por outro lado, o supervisor financeiro aponta a “existência de um aumento da percentagem do número de vendas que são efetuadas sem recurso a crédito bancário em Portugal por parte dos particulares”. Ou seja, imóveis que são pagos a pronto, o que poderá ser explicado tanto pelo aumento do número de estrangeiros a adquirir casas no mercado nacional, mas também de compras feitas por outras entidades para tirarem partido do turismo.

Esta redução do peso do financiamento bancário na compra de casa é bastante notória na área metropolitana de Lisboa e no Algarve, algo que, segundo o Banco de Portugal, “poderá estar associado à ideia de que nestas regiões o investimento estrangeiro ou a compra de imóveis por parte de empresas estará a ter um maior peso nas transações do que no passado”.

Novo crédito cresce, mas saldo está estável

Os números compilados pelo Banco de Portugal mostram que o crédito está a ter pouca expressão nos movimentos a que se assiste no mercado imobiliário nacional, revelando que os bancos, apesar de estarem a aumentar a concessão de empréstimos para este fim, têm adotado uma postura mais cautelosa do que no passado.

Os números mais recentes revelam que mesmo com as regras mais apertadas que o regulador decidiu aplicar para a concessão de créditos para a casa, os novos empréstimos continuam a aumentar. Em agosto, o segundo mês em que estão em vigor as recomendações do Banco de Portugal, os bancos deram 810 milhões de euros em novos créditos para comprar casa, mais cerca de 100 milhões face ao mesmo período do ano passado.

Aumenta a nova concessão, mas a realidade é que o saldo do crédito para a compra de casa pouco tem crescido. O saldo do crédito para compra de casa está a subir há quatro meses consecutivos, tendo chegado aos 92.860 milhões de euros em agosto, o valor mais elevado desde março, de acordo com a instituição. No entanto, está substancialmente aquém dos valores registados durante os anos que antecederam a chegada da troika a Portugal.

Concessão de crédito desde 2010

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Banco de Portugal diz que o crédito pesa pouco na compra de casa. Principalmente em Lisboa e no Algarve

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião