Juros da dívida invertem tendência, mas Wall Street mantém-se no vermelho

Apesar da subida dos preços no consumidor ter ficado abaixo das expectativas e dos juros da dívida estarem em queda, Wall Street mantém-se em terreno negativo.

Apesar da inflação norte-americana ter desacelerado em setembro e de os juros da dívida norte-americana estarem, consequentemente, em queda, Wall Street abriu, esta quinta-feira, em terreno negativo. A expectativa de que a Reserva Federal suba, pela quarta vez, as taxas de juro mantém-se nas mentes dos investidores, que continuam cautelosos. Ainda assim, as perdas registadas esta quinta-feira são inferiores ao trambolhão de ontem.

O índice de referência, o S&P 500, está assim a desvalorizar 0,32% para 2.776,87 pontos. Igual tendência está a ser registada pelo tecnológico Nasdaq, que recua 0,46% para 7.388,07 pontos, e pelo industrial Dow Jones, que abriu em baixa 0,31% para 25.518,39 pontos.

Esta quinta-feira, foram divulgados os dados relativos à evolução do Índice dos Preços no Consumidor: subiu 0,1% no mês passado, valor que compara com os 0,2% registados em agosto e fica abaixo das estimativas avançadas pelos analistas. De acordo com a Reuters, este desaceleração fica a dever-se ao aumento mais modesto dos preços de arrendamento e ao recuo dos preços da energia.

Os especialistas citados pela mesma agência noticiosa explicam que a escalada da inflação tem colocado pressão sobre a Reserva Federal para aumentar as taxas de juro — uma medida contra a qual Donald Trump se tem insurgido — pelo que os dados revelados esta quinta-feira deverão aliviar essas expectativas. Pelo segundo dia consecutivo, o Presidente Trump considera o aumento dos juros “ridículo” já que torna mais caro ao Governo norte-americano financiar-se. “Gostaria que a nossa FED não fosse tão agressiva porque, penso, estão a cometer um erro”, disse Trump numa entrevista na Fox & Friends.

A perspetiva de juros mais altos tem sido refletida na escalada dos juros dos títulos de dívida norte-americanos, o que tem feito os mercados tremer. Na sessão desta quinta-feira, apesar da efetiva descida dos juros das Treasuries, Wall Street está a manter-se, contudo, em terreno negativo.

A pressionar a praça estão as tecnológicas: as ações da Amazon estão a recuar 2,59% para 1.709,72 dólares e da Apple a cair 0,28% para 215,75 dólares.

Depois de ter anunciado lucros acima das expectativas, no terceiro trimestre do ano, a Delta Air Lines está a ver os seus títulos dispararem 3,68% para 1,83 dólares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juros da dívida invertem tendência, mas Wall Street mantém-se no vermelho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião