Greve da Função Pública pode juntar UGT e CGTP no dia 26

  • Marta Santos Silva
  • 12 Outubro 2018

Saindo desiludidos da reunião com o Ministério das Finanças, onde não houve notícia sobre aumentos, os sindicatos da Administração Pública confirmaram ter pré-avisos de greve para o fim do mês.

As três principais forças sindicais da Administração Pública, a Fesap (UGT), o STE (UGT) e a Frente Comum (CGTP) poderão juntar forças a 26 de outubro para exigir aumentos salariais para todos os trabalhadores do Estado, entre outras reivindicações.

Os pré-avisos de greve já terão sido entregues, confirmaram os dirigentes sindicais José Abraão e Helena Rodrigues aos jornalistas à saída da reunião, esta sexta-feira, com Mário Centeno, onde não terá havido propostas concretas nem desenvolvimentos no âmbito de aumentos salariais.

Ana Avoila, dirigente da Frente Comum, acrescentou que a sua greve já estava convocada há muito tempo. Aproveitou ainda para sublinhar que não existe concertação entre os sindicatos mas apenas greves convocadas para o mesmo dia pela mesma revolta. “Cada sindicato vai fazer a sua greve. Não houve discussões conjuntas”, acrescentou. “A greve de dia 26 é muito importante e toda a gente se deve juntar”.

Sem novidades na que foi já a quarta reunião entre os sindicatos do setor e a tutela, Helena Rodrigues, dirigente do STE, mostrou-se desiludida e garantiu que o STE já entregara um pré-aviso de greve para se associar à mobilização de dia 26 de outubro, caso continuem sem haver propostas satisfatórias para as exigências dos trabalhadores.

Também a Fesap, membro da UGT, entregou um pré-aviso de greve para o mesmo dia. O dirigente sindical José Abraão afirmou que o Governo deveria procurar responder aos pedidos de normalidade e atualização salarial do Estado agora que as contas públicas parecem permiti-lo.

Todos os sindicatos confirmaram ainda que deverá haver novas reuniões na próxima semana, após a apresentação do texto da proposta do Orçamento do Estado para 2019 na segunda-feira. O avanço da greve dependerá, também, das propostas que surjam nesse documento e nas reuniões subsequentes.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Greve da Função Pública pode juntar UGT e CGTP no dia 26

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião