Bolsas europeias caem para mínimos de quase dois anos com tensões internacionais. Petróleo em altas

As bolsas europeias ainda não conseguiram recuperar das perdas das sessões anteriores, e caem para mínimos de quase dois meses. As tensões internacionais motivam este desempenho.

Depois da pior semana nos mercados desde fevereiro, as bolsas europeias não conseguem recuperar e caem em terreno vermelho. As tensões internacionais penalizam as negociações, nomeadamente entre os Estados Unidos e a China, e a Arábia Saudita e o Oriente.

O desaparecimento de um jornalista, Jamal Khashoggi, no consulado da Arábia Saudita em Istambul, levantou dúvidas sobre o envolvimento do regime. Os EUA já fizeram saber que iriam agir se fossem encontradas provas da ação das autoridades sauditas, e Riade ameaça retaliar se sofrer sanções pelo caso. Estas trocas, que envolvem o maior produtor da OPEP, estão a impulsionar os preços do petróleo. O Brent atingiu os 81,92 dólares por barril. Está agora a subir 0,67% para os 80,97 dólares.

Na Europa, o principal índice de referência, Stoxx 600, cai 0,4% para mínimos de 22 meses. O francês CAC 40 está a recuar 0,59% para os 5065,85 pontos, o britânico FTSE 100 a descer 0,12% para os 6987,33 pontos e o espanhol IBEX 35 cai 0,24% para os 8880,7 pontos. É a quarta sessão em queda para a generalidade das praças europeias.

O PSI-20 não escapa à maré negativa, e cai 0,50% para os 4981,92 pontos. Entre as cotadas com quedas mais pronunciadas encontra-se a Altri, que cai 2,85%, e a Jerónimo Martins, que recua 1,18%.

As bolsas asiáticas registaram a pior sessão em sete meses na semana passada, motivadas por pressões como a subida dos juros da dívida americana, comentários de Donald Trump sobre o comportamento “louco” da Reserva Federal, guerra comercial e alertas do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bolsas europeias caem para mínimos de quase dois anos com tensões internacionais. Petróleo em altas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião