Cenário de ausência de acordo no Brexit “mais provável do que nunca”, diz Donald Tusk

  • Lusa
  • 15 Outubro 2018

Tusk considera que a UE deve estar preparada para o cenário de um “não acordo”, mas diz que, ainda assim, devam ser empenhados “todos os esforços” para alcançar o melhor acordo possível.

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, advertiu esta segunda-feira que o cenário de uma ausência de acordo para a concretização da saída do Reino Unido da União Europeia é “mais provável do que nunca”.

Na carta-convite dirigida aos chefes de Estado e de Governo da União Europeia (UE) para o Conselho Europeu de quarta e quinta-feira em Bruxelas, considerado “o momento da verdade” nas negociações em torno do ‘Brexit’, Tusk sublinha todavia que o facto de a União Europeia se dever preparar de forma responsável para o cenário de um “não acordo” não significa que não devam ser feitos “todos os esforços” para alcançar o melhor acordo possível para todas as partes.

Lembrando que o objetivo traçado há sensivelmente um mês na cimeira de Salzburgo era alcançar o máximo de progressos e resultados com vista a ser possível “fechar” um acordo neste Conselho Europeu de outubro, Tusk aponta que, “tal como as coisas estão hoje, tal revelou-se mais complicado do que alguns esperariam”.

“Devemos manter-nos esperançados e determinados, uma vez que há boa vontade de ambas as partes para prosseguir estas negociações. Mas, ao mesmo tempo, responsáveis como somos, temos de nos preparar a UE para um cenário de ausência de acordo, que é mais provável do que nunca”, observa o presidente do Conselho Europeu.

Tusk ressalva, para “ser absolutamente claro”, que esses preparativos para uma saída não ordenada do Reino Unido do bloco europeu não deve, “sob quaisquer circunstâncias”, desencorajar os responsáveis políticos de ainda alcançarem um acordo, até porque, “como alguém sabiamente afirmou, «tudo parece impossível até ser feito»”, uma frase atribuída a Nelson Mandela.

“Não desistamos”, diz Tusk na missiva enviada aos líderes europeus, entre os quais o primeiro-ministro, António Costa.

O presidente do Conselho Europeu explica que os trabalhos terão início na quarta-feira à noite com um debate sobre o ‘Brexit’, apontando que convidou a primeira-ministra britânica, Theresa May, a dirigir-se aos restantes líderes para apresentar a avaliação que o seu Governo faz das negociações.

“Mais tarde, a 27, decidiremos como conduzir as negociações a partir daqui, com base numa recomendação do nosso negociador-chefe, Michel Barnier”, escreve.

O Conselho Europeu será retomado na quinta-feira de manhã, de novo a 28, sendo o principal assunto em agenda, e uma vez mais, a questão das migrações, sendo seguido de uma Cimeira do Euro no chamado “formato inclusivo” (a 27), para um ponto da situação sobre a reforma da União Económica e Monetário, e na qual participará o presidente do Eurogrupo, Mário Centeno.

Depois do Conselho Europeu e Cimeira do Euro, haverá lugar a uma cimeira entre UE e Ásia (ASEM), que terá início na quinta-feira à noite e decorrerá até sexta-feira à tarde.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cenário de ausência de acordo no Brexit “mais provável do que nunca”, diz Donald Tusk

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião