Contribuição para a RTP não mexe pelo terceiro ano consecutivo

A contribuição para o audiovisual, paga pelos portugueses na fatura da luz, vai manter-se em 2,85 euros em 2019. A taxa não mexe há três anos consecutivos.

O presidente da RTP fez o pedido, mas o barro voltou a não colar na parede. Pelo terceiro ano consecutivo, o Governo não vai atualizar a contribuição para o audiovisual que os portugueses pagam para financiar a estação pública de rádio e televisão. A taxa que é liquidada na fatura da eletricidade irá manter-se em 2,85 euros, à qual acresce o IVA, de acordo a proposta de Orçamento do Estado entregue esta segunda-feira no Parlamento.

Este valor foi atualizado pela última vez em julho de 2016, altura em que o Governo decidiu aumentar a contribuição em 20 cêntimos. Nessa altura, a taxa passou de 2,65 euros para 2,85 euros, valor que se manteve até aos dias de hoje. Três anos depois, com um novo Orçamento do Estado já apresentado, a taxa permanece inalterada por mais um ano.

“Em 2019, não são atualizados os valores mensais previstos (…) [na lei] que aprova o modelo de financiamento do serviço público de radiodifusão e de televisão”, lê-se no documento. Ou seja, o Governo escolheu não aumentar a contribuição, mesmo depois de um ano ‘anormal’ em que as contas da RTP deverão ser atiradas para o vermelho, como avançou o ECO em primeira mão há meses.

A subida da contribuição para o audiovisual tinha sido pedida pelo presidente da RTP, Gonçalo Reis, numa entrevista ao Público em setembro, altura em que o Orçamento do Estado ainda estava a ser discutido entre o Governo e os parceiros. “É fundamental que cada parte cumpra o seu quinhão: a RTP está a prestar mais serviço público. Ao Estado, caberá ajustar a contribuição para o audiovisual de acordo com a inflação, tal como a lei estipula”, disse Gonçalo Reis.

O pedido surge depois de um ano de especial atividade para a RTP. Apesar de ter conseguido aumentar as audiências, graças ao Festival Eurovisão da Canção e à transmissão do Mundial de Futebol, a empresa deverá fechar o ano de 2018 com prejuízos, depois de vários anos consecutivos de lucros. Para além das despesas com a organização do festival e a compra de direitos de transmissão da competição, as contas este ano serão penalizadas pelos impactos da regularização de trabalhadores precários e da reposição de salários.

Em 2017, a RTP obteve um lucro residual de 130 mil euros. Mas, ao que o ECO apurou, a estação pública deverá fechar o ano de 2018 com prejuízos.

(Notícia atualizada às 00h21 com a informação confirmada na proposta de Orçamento do Estado para 2019)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Contribuição para a RTP não mexe pelo terceiro ano consecutivo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião