Exclusivo RTP em 2018: Lucros nas audiências, prejuízos nas contas

É um ano 'anormal' para a RTP. Com a Eurovisão e o Mundial de futebol, a estação pública tem mais audiências, mas vai regressar aos prejuízos em 2018. Em 2017, fechou com lucros.

A realização do Festival da Eurovisão, que decorreu em Lisboa, foi a maior operação televisiva de sempre em Portugal, para 200 milhões de pessoas, resultado da vitória de Salvador Sobral há um ano. O país exultou com Amar pelos dois, mas a administração da RTP logo percebeu, naquele momento, que os resultados positivos de 2015, 2016 e 2017 seriam interrompidos em 2018: As perspetivas económico-financeiras para este ano apontam para o regresso aos prejuízos com a Eurovisão, mas também com o Mundial de futebol e o impacto da reversão dos cortes da Função Pública, apurou o ECO junto de fontes da empresa pública de televisão. Será, portanto, um ano de lucro nas audiências e prejuízos nas contas.

As contas de 2017, fechadas por Gonçalo Reis, ainda com a assinatura de Nuno Artur Silva e Cristina Tomé (de saída da empresa) já estão assinadas pelo Ministério das Finanças, mas ainda não estão publicamente disponíveis. De acordo com uma fonte do ECO, os resultados operacionais terão ficado nos dez milhões de euros e os resultados líquidos marginalmente positivos. Mas se as audiências estão em alta – a final do Festival Eurovisão da Canção foi vista por 1,482 milhões de telespetadores, em média, durante quase quatro horas e entre as 20h00 e a meia-noite, a RTP1 liderou a preferência dos portugueses com 34,9% de share – as contas vão passar do ‘verde’ para o ‘vermelho’ em 2018. Por causa da Eurovisão, mas também por causa dos direitos do Mundial de Futebol e do impacto, ao longo de todo o ano, das reversões de cortes de salários no Estado. Vamos por partes:

  1. O Festival da Eurovisão, que este ano se realizou em Lisboa, custa cerca de 20 milhões de euros à RTP, mas há, claro, receitas para abater a este investimento. Mesmo assim, não o suficiente para cobrir todos os gastos e, neste momento, ainda sem os números de bilheteira, é já possível antecipar um ‘prejuízo’ da ordem dos quatro milhões de euros. Do lado das receitas, a RTP recebeu 4,3 milhões de euros da EBU, pelo menos três milhões do Turismo de Portugal na qualidade de sponsor, além de outros patrocinadores, e a bilheteira. A Câmara de Lisboa também investe cerca de cinco milhões, dos quais 2,8 milhões são diretos para a RTP.
  2. O Mundial de Futebol vai ter o impacto contabilístico total em 2018, apesar de já ter sido pago cerca de oito milhões dos 12,6 milhões que custaram os direitos de transmissão.
  3. A RTP, como as outras empresas públicas, tem de incorporar nos custos com pessoal de 2018 os 14 meses de salário já corrigidos dos cortes que foram revertidos ao longo de 2017. Além disso, deverá verificar-se o impacto da regularização dos trabalhadores considerados precários no Estado, e que também tem de ser feito nas empresas públicas.

Há ainda outro fator a pressionar as contas da RTP de 2018. Numa primeira fase, ainda antes da apresentação da proposta de Orçamento do Estado para 2018, Gonçalo Reis esperava ter uma maior folga orçamental devido ao reembolso previsto de uma dívida de 16,29 milhões de euros por parte do Estado, por via de um aumento de capital. Mas a operação não teve luz verde este ano. Contactada oficialmente, a RTP não faz comentários a estas informações.

É isso que mostra o Plano de Atividades da RTP para 2018, a que o ECO teve acesso, na sua versão datada de fevereiro deste ano. Em setembro de 2017, a empresa liderada por Gonçalo Reis estava a contar com esse valor. Mas, em fevereiro, o documento foi revisto, passando a incluir uma nota de “não consideração, por agora, do aumento de capital no valor de 16,29 milhões de euros no ano de 2018”. Em causa, “um corte superior a 50%” no plano de investimentos da RTP, face à versão original, indica o mesmo documento.

Em público, as declarações de Gonçalo Reis são cuidadosas, mas mostram a pressão financeira que a RTP tem nas contas de 2018. Em entrevista ao DN na semana passada, o presidente da estação pública confirmou um contributo da RTP para esta operação da Eurovisão da ordem dos quatro milhões de euros, e afirmou: “Não vale a pena negar que um projeto desta escala e com esta concentração temporal implica uma forte pressão na tesouraria da RTP. Temos vindo a fazer uma gestão cautelosa. Tivemos um primeiro trimestre com contas impecáveis, como foram os últimos três anos, mas o evento em si obriga a uma determinada programação. Um ano tem 12 meses, há uma grande concentração de esforço no mês de maio, a seguir ainda vem o Mundial, cabe-nos fazer gestão ponderada”.

Recorde-se que o Conselho Geral Independente (CGI) da RTP anunciou há menos de uma semana que, “por decisão unânime”, indigitou a administração da empresa de rádio e televisão, liderada por Gonçalo Reis, revelando que Ana Dias vai ser administradora com pelouro financeiro. Hugo Figueiredo é o outro administrador, e a equipa deverá entrar em funções até ao final do mês, para o triénio 2018/2020.

(Notícia atualizada com dados das audiências da final da Eurovisão)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

RTP em 2018: Lucros nas audiências, prejuízos nas contas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião