Desconto até 24% no CO2 para evitar escalada dos preços dos carros com novas medições

Para evitar uma escalada dos preços dos veículos com as novas medições de CO2, o Governo vai abater até 24% ao valor das emissões. Carros mais poluentes têm desconto de apenas 5%.

O Orçamento do Estado para 2019 prevê um aumento da carga fiscal sobre os automóveis. As tabelas do Imposto Sobre Veículos (ISV) vão ser agravadas, em média, em 1,3% nas suas duas componentes (cilindrada e ambiental). Para evitar uma escalada dos preços dos veículos com as novas medições de CO2, o Governo avança com uma medida transitória que abate até 24% ao valor das emissões.

De acordo com a proposta de OE, para o apuramento do ISV há aumentos entre 0,9 e 1,4% na componente da cilindrada, sendo que os abatimentos ao valor resultante são atualizados à taxa estimada de inflação no próximo ano, de 1,3%.

O aumento dos preços previsto para 2019 determina também o aumento dos valores da outra componente, a ambiental. Essa variação é utilizada na atualização tanto do valor da taxa como do abatimento. No entanto, carros a gasolina com emissões superiores a 146 gramas de CO2 por quilómetro não vão beneficiar de um aumento da parcela a abater. Ou seja, vão mesmo pagar mais.

Esta componente ambiental poderia fazer catapultar os preços dos automóveis novos no início do ano, isto porque está em vigor um novo modelo de contabilização de emissões de CO2, o Worldwide Harmonized Light Vehicle Test Procedure, ou WLTP. No entanto, como prometido, o Governo decidiu introduzir uma disposição transitória em matéria de ISV para evitar a escalada dos preços.

Assim, segundo a proposta, ao valor apurado nos testes com o WLTP, o Governo decidiu aplicar descontos para atenuar o impacto da subida expressiva das emissões. Começam nos 24% para veículos a gasolina com emissões até 99 gramas e a gasóleo com emissões até 79 gramas.

Quanto mais poluentes forem os veículos, menos irão beneficiar desta redução percentual a aplicar às emissões de CO2, baixando dos 23%, 22%, 20% e 17%, para apenas 5% no caso dos veículos a gasolina com emissões de mais de 195 gramas. Este abatimento de 5% também será aplicado a carros a gasóleo que emitam mais de 160 gramas de CO2 por quilómetro.

(Notícia atualizada às 00h15 com a informação confirmada na proposta de Orçamento do Estado para 2019)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Desconto até 24% no CO2 para evitar escalada dos preços dos carros com novas medições

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião