Governador do BdP defende reforço de cooperação entre bancos centrais lusófonos

  • Lusa
  • 15 Outubro 2018

Governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, defendeu hoje em Díli o reforço do diálogo e da cooperação entre os bancos centrais lusófonos, ajudando assim a responder melhor a flutuações e tensões.

O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, defendeu esta segunda-feira, em Díli, o reforço do diálogo e da cooperação entre os bancos centrais lusófonos, ajudando assim a responder melhor a flutuações e tensões internacionais.

“Quando os instrumentos de cooperação se enfraquecem, com o conflito se tende a sobrepor aos interesses comuns, é preciso que alguém assuma a bandeira da cooperação, da coordenação“, disse Carlos Costa, em Díli.

“É desejável que ao nível da nossa pequena comunidade, cuidemos de manter as pontes que já instalamos, mas sobretudo as reforcemos no sentido prático”, sublinhou.

Isso, disse num encontro de bancos centrais dos países de língua portuguesa, ajudará a evitar que “os desenvolvimentos internacionais prejudiquem o funcionamento das economias, a sua integração internacional”, frisou.

Carlos Costa falava na abertura do 28º Encontro de Lisboa entre os Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa, que decorre na capital timorense, Díli.

O encontro de Lisboa decorre pela primeira vez fora da capital portuguesa, aproveitando a presença na vizinha ilha indonésia de Bali dos responsáveis lusófonos que estiveram nas reuniões anuais do FMI e do Banco Mundial. Na sua intervenção Carlos Costa referiu-se à importância da ação externa das instituições financeiras e, em particular à necessidade de respeitar, cumprir e fazer cumprir as regras internacionais para o combate ao branqueamento de capitais e ao financiamento do terrorismo.

Nesse âmbito, recordou, os brancos centrais lusófonos adotaram já um conjunto de princípios de cooperação que são idênticos aos adotados como ‘benchmark’ pelo Banco Central Europeu (BCE).

Respeitar estes princípios é essencial, disse, para que os países não corram o risco de ficar isolados da comunidade internacional numa matéria tão essencial como o fluxo financeiro, especialmente como contrapartida ao comércio.

Aspetos como a segurança informação e dos sistemas de informação são algumas das questões que devem igualmente merecer atenção, disse.

Carlos Costa relembrou que o Banco de Portugal continua empenhado em colaborar com os seus congéneres lusófonos tendo este ano agendado mais de 130 ações de cooperação técnica com 28 técnicos do BP e mais de 400 de outros bancos centrais.

O encontro de Díli conta com a presença de governadores ou seus representantes de praticamente todos os bancos centrais lusófonos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governador do BdP defende reforço de cooperação entre bancos centrais lusófonos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião