Subida dos juros penaliza Wall Street. Bolsas recuam

  • Lusa
  • 15 Outubro 2018

A subida repentina das taxas de juro nos EUA, as tensões geopolíticas com a Arábia Saudita e a guerra comercial levaram as bolsas norte-americanas a fecharem a sessão em terreno negativo.

A bolsa nova-iorquina encerrou esta segunda-feira em baixa, após uma sessão hesitante, entre a subida de juros, geopolítica e guerra comercial, com os investidores incapazes de fazerem os índices recuperarem, depois dos fortes abalos que sofreram nas sessões anteriores.

Os resultados definitivos da sessão indicam que o seletivo Dow Jones Industrial Average cedeu 0,35%, para os 25.250,55 pontos, com as maiores perdas a serem apresentadas pelo tecnológico Nasdaq, ao desvalorizar 0,88%, para os 7.430,74. No meio, em termos de perdas, o alargado S&P500 recuou 0,59%, para as 2.750,79 unidades.

Fragilizados pela subida repentina das taxas de juro nos Estados Unidos da América (EUA) e apesar de uma nítida recuperação na sexta-feira, os índices de Wall Street registaram na semana passada a sua mais forte queda semanal desde março, com o Dow Jones a largar 4,19% e o Nasdaq 3,74%.

Esta segunda-feira, outros fatores negativos estiveram também a pesar no mercado, como a persistência de tensões comerciais entre Washington e Pequim, ou a subida das tensões geopolíticas entre os EUA e a Arábia Saudita, depois do desaparecimento na Turquia do jornalista saudita Jamal Khashoggi.

A publicação de um indicador dececionante sobre as vendas no comércio retalhista nos EUA, que subiram menos do que esperado em setembro, também influenciou, considerou Peter Cardillo, da Spartan Capital Securities. Mas, sobretudo, os investidores estão à procura “de ver até onde o mercado pode descer antes de recuperar”, na sua leitura.

Já para Alan Skrainka, da Cornerstone Wealth Managament, a baixa dos índices resultou de “uma correção técnica”. Os investidores estão particularmente sensíveis ao facto de o S&P500 se ter mantido hoje abaixo da média dos últimos 200 dias. Para estes dois analistas, a tendência pode inverter-se muito depressa, à medida que as empresas forem divulgando os seus resultados.

Os investidores em Wall Street continuam, porém, abalados pela recente subida das taxas de juro, que pode perturbar o crédito imobiliário e o consumo, bem como as despesas de investimento das empresas e, por ricochete, reduzir o crescimento mundial. A este respeito, vão escrutinar na quarta-feira a publicação das atas da última reunião da comissão de política monetária do banco central norte-americano, em busca de qualquer sinal sobre as futuras decisões da Reserva Federal.

O mercado obrigacionista apresentava alguma distensão, com a taxa de juro dos títulos do Tesouro a 30 anos a situar-se, às 21h20 de Lisboa, em 3,154%, depois dos 3,161% com que fechou as transações na sexta-feira. Já a taxa destes títulos a 30 anos manteve-se nos 3,335%.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Subida dos juros penaliza Wall Street. Bolsas recuam

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião