Banco BPI integra negócios da banca de investimento e sociedade de risco

  • Lusa
  • 15 Outubro 2018

O Banco BPI acaba de anunciar a fusão com o Banco Português de Investimento e a sociedade de risco BPI Private Equity, no âmbito da reorganização do grupo que está a ser feita pelo seu dono.

O Banco BPI anunciou esta segunda-feira a fusão com o Banco Português de Investimento e a sociedade de risco BPI Private Equity, no âmbito da reorganização do grupo que está a ser feita pelo seu dono, o Caixabank.

Na informação à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), divulgada pelo BPI, é dito que estas fusões por incorporações e respetivas extinção jurídicas destas sociedades têm em vista “simplificar a estrutura do grupo BPI”.

O CaixaBank, que tomou o controlo do BPI em 2017, tem vindo, desde então, a alterar a estrutura do grupo bancário português e a puxar para si atividades do BPI de banca de investimento.

Em novembro de 2017 foi acordada a venda ao CaixaBank das atividades do BPI de banca de investimento, o que deve ser concretizado ainda este ano, estando o Caixabank a constituir uma sucursal em Portugal com essa finalidade.

Ainda em comunicado enviado esta segunda-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, o BPI marcou para 16 de novembro uma assembleia-geral de obrigacionistas para que votem as fusões por incorporação anunciadas no mesmo dia.

A justiça espanhola anunciou no dia 4 de outubro, em Madrid, que decidiu investigar uma queixa contra o CaixaBank e um seu ex-presidente por alegado abuso de posição de mercado, administração desleal e delitos administrativos aquando da aquisição do BPI.

Em reação, no mesmo dia, o espanhol CaixaBank rejeitou que tenha havido irregularidades na compra do banco português BPI, assegurando que todas as operações “foram efetuadas no estrito cumprimento das obrigações legais”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco BPI integra negócios da banca de investimento e sociedade de risco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião