Investidores temem subida dos juros. Wall Street recua

A Fed está convicta de que ainda há margem para novas subidas da taxa diretora. As minutas da última reunião não animaram os investidores, numa sessão em que os principais índices registaram quedas.

As bolsas norte-americanas registaram perdas esta quarta-feira, depois de a Reserva Federal ter sinalizado que vai continuar a aumentar a taxa diretora nas minutas da última reunião. Depois dos fortes ganhos alcançados na sessão anterior, superiores a 2%, o dia foi de correções nos três principais índices, que acompanharam a tendência negativa também registada na generalidade das praças europeias.

O S&P 500 fechou a cair 0,03%, para 2.809,07 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq recuou 0,04%, para 7.642,87 pontos. O industrial Dow Jones foi o que mais derrapou, tendo caído 0,36%, para 25.704,55 pontos.

Como noticiou o ECO, as minutas da última reunião da Fed mostram que os responsáveis estão preocupados com a subida da inflação, pelo que há margem para novas subidas. Na reunião, também se discutiu a possibilidade de colocar o preço do dinheiro nos EUA em “território de restrição”. Desta forma, a Fed não dá sinais de abrandar na subida dos juros.

“Isto é consistente com a retórica da Fed de que vai continuar a subir os juros gradualmente. Tem de acontecer muita coisa para que a Fed decida não subir os juros novamente em dezembro”, disse à Reuters Ryan Sweet, chefe de research em política monetária da Moody’s Analytics na Pensilvânia.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Investidores temem subida dos juros. Wall Street recua

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião