De olho na inflação, Fed prepara novas subidas de juros nos EUA

A Fed vai mesmo continuar a aumentar os juros. Mesmo com as críticas de Trump, os responsáveis admitem novas subidas da taxa diretora. E podem levá-la para "território de restrição".

A Reserva Federal dos EUA vai continuar a aumentar a taxa diretora. Nas minutas da última reunião, os responsáveis pela política monetária norte-americana demonstraram preocupação com a subida da inflação, sinalizando que há margem para novas subidas. Inclusivamente, houve debate em torno da possibilidade de colocar o preço do dinheiro na maior economia do mundo em “território de restrição”.

Mesmo com todas as críticas que lhes têm sido dirigidas por parte de Donald Trump, o presidente dos EUA, a Fed não dá sinais de abrandar. Assim, na reunião em que aumentou a taxa diretora pela terceira vez este ano, os responsáveis mostraram-se favoráveis a aumentar os juros novamente. A expectativa é de que essa nova subida acontece em dezembro, elevando os juros dos atuais 2% a 2,25%.

Na base da perspetiva da Fed está a inflação. Apesar dos perigos que a guerra comercial fomentada por Trump coloca à economia, o banco central norte-americano vê uma economia robusta, com uma taxa de inflação a acelerar. E vê riscos de que os preços no consumidor possam acelerar de forma expressiva, superando aquela que é a meta do banco liderado por Jerome Powell. E perante esse risco, há mesmo quem defenda uma postura mais agressiva por parte da Fed.

De acordo com as minutas da última reunião, alguns responsáveis aventaram a possibilidade de a Fed elevar a taxa diretora para “território de restrição”. Depois de anos com uma política acomodatícia, marcado pela expansão do seu balanço para ajudar à recuperação da economia, a Fed prepara-se para uma inversão total da sua política, procurando também travar os riscos de excessos nos mercados financeiros.

(Notícia atualizada às 19h25 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

De olho na inflação, Fed prepara novas subidas de juros nos EUA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião