Chefe do Estado-Maior do Exército apresenta demissão

O Chefe do Estado-Maior do Exército apresentou a demissão esta manhã. A decisão da exoneração cabe agora ao Governo. Rovisco Duarte invoca razões pessoais.

Dois dias depois da tomada de posse do novo ministro da Defesa, o Chefe do Estado-Maior do Exército (CEME) demite-se. Segundo foi avançado pela TVI 24 e confirmado pela nota publicada no site da Presidência da República, o general Rovisco Duarte apresentou, esta quarta-feira de manhã, o pedido de demissão ao Presidente da República, que entretanto já remeteu o pedido para o Governo. Será agora ao Executivo que caberá propor a exoneração.

O Presidente da República recebeu hoje uma carta do General Francisco José Rovisco Duarte, que, invocando razões pessoais, pede a resignação do cargo do Chefe de Estado-Maior do Exército”, lê-se na nota referida. “A carta foi transmitida ao Governo, a quem compete, nos termos constitucionais e da Lei orgânica das Forças Armadas, propor ao Presidente da República a exoneração de chefias militares, ouvido o Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas”, acrescenta o mesmo comunicado.

Esta saída acontece pouco depois de o presidente do PS ter dito que esperava que também haja “consequências” do caso Tancos “do ponto de vista das Forças Armadas”. Em declarações à TSF, Carlos César disse que a saída de Azeredo Lopes da pasta da Defesa deu “um novo fôlego”, mas não é suficiente, apontando mesmo a eventual saída de Rovisco Duarte, o que acabou por se confirmar.

O caso do roubo das armas de Tancos tem colocado o CEME (cujo mandato terminava em abril) debaixo de fogo. Recorde-se que Azeredo Lopes saiu do Ministério da Defesa fragilizado pelo alegado “encobrimento” do esquema criado em torno da recuperação as armas furtadas em Tancos, no ano passado.

Rovisco Duarte diz ao Exército que “circunstâncias políticas” exigiram demissão

O general Rovisco Duarte justificou perante o Exército o pedido de demissão do cargo de Chefe do Estado-Maior do ramo afirmando que “circunstâncias políticas assim o exigiram”, disseram à Lusa fontes militares. Segundo fontes militares contactadas pela Lusa, o general comunicou “por escrito”, através da rede interna do Exército, que apresentou ao Presidente da República a sua carta de resignação.

“Circunstâncias políticas assim o exigiram”, justificou Rovisco Duarte, que foi escolhido pelo anterior ministro da Defesa, Azeredo Lopes, para substituir Carlos Jerónimo que se demitiu na sequência da polémica que envolveu a direção do Colégio Militar, a propósito de uma alegada discriminação em função da orientação sexual.

O mandato de Frederico Rovisco Duarte, que terminaria em abril do próximo ano, estava sob contestação desde o furto de material militar dos paióis de Tancos, divulgado em 29 de junho do ano passado, desde logo, internamente, quando decidiu exonerar, e depois renomear, cinco coronéis no âmbito da investigação interna ao furto. Aquela decisão motivou a demissão de dois generais do Exército, Antunes Calçada e António Menezes.

Costa considera “normal” pedido de demissão de Rovisco Duarte por “motivos pessoais”

O primeiro-ministro, António Costa, disse em Bruxelas que o general Rovisco Duarte justificou o seu pedido de demissão do cargo de Chefe do Estado-Maior do Exército com “motivos pessoais”, considerando “normal” o processo da sua exoneração.

“O senhor Presidente da República entregou hoje ao Governo uma carta que lhe foi entregue pelo general Rovisco Duarte, pedindo a sua demissão por motivos pessoais e, portanto, está agora a decorrer o processo normal tendo em vista a sua exoneração e a designação do novo Chefe do Estado-Maior do Exército”, declarou António Costa, à entrada para o Conselho Europeu, em Bruxelas.

Questionado sobre se foram “circunstâncias políticas” que motivaram o pedido de demissão de Rovisco Duarte, António Costa remeteu para a carta que lhe foi entregue por Marcelo Rebelo de Sousa, argumentando que é “nessa base” que o Governo trabalha. “É um processo normal que o senhor general saia”, concluiu.

(Notícia atualizada às 19h09 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Chefe do Estado-Maior do Exército apresenta demissão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião