Justiça conta com 1.469 milhões de orçamento para 2019

São mais 12,6% do que a estimativa para 2018. Governo pretende reforçar meios nos tribunais, a vigilância nas prisões e os recursos humanos da PJ no próximo ano.

O setor da justiça vai contar com um orçamento de 1.469 milhões de euros em 2019, mais 12,6% face à estimativa para 2018. São cerca de mais 85 milhões de euros do que o que estava previsto gastar este ano. Esta é uma aposta do Governo, que “assume como prioridade reforçar o serviço público de Justiça, potenciando a excelência, a eficiência e a celeridade do serviço prestado”.

Do valor total do orçamento, 66,2% destinam-se a despesas com pessoal, 24,8% a aquisições de bens e serviços e cerca de 4% a aquisições de bens de capital. Entre as medidas orçamentais mais reforçadas, está o sistema judiciário que conta com uma fatia de 499 milhões de euros. Já para o programa de investigação estão destinados cerca de 128 milhões.

A Polícia Judiciária também é uma das apostas para o próximo ano, contando com um reforço de recursos humanos, materiais, financeiros e tecnológicos, nomeadamente na prevenção criminal do terrorismo, do cibercrime e da criminalidade económico-financeira.

Nos Tribunais, o grande objetivo passa por reduzir as pendências e agilizar os processos, contando com o reforço de recursos humanos, de mais soluções tecnológicas jurídicas e um alargamento do serviço de impressão, envelopagem e expedição postal em todos os tribunais.

A pasta tutelada por Francisca Van Dunem espera ainda apresentar, finalmente, o plano de relocalização dos tribunais do Campus da Justiça de Lisboa e dos serviços centrais do Ministério da Justiça.

Já nas prisões, espera-se um reforço do sistema nacional de vigilância eletrónica além de uma regulamentação e reorganização do sistema de execução de penas dos inimputáveis, por anomalia psíquica, o que passará por transferências para unidades de saúde mental não prisionais, em conformidade com o Plano Nacional de Saúde Mental.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Justiça conta com 1.469 milhões de orçamento para 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião