Portugueses ainda não recuperaram do “enorme aumento” do IRS de Vítor Gaspar

  • ECO
  • 17 Outubro 2018

A maioria dos portugueses ainda não recupera, em 2019, o salário líquido que ganhavam em 2010, antes do enorme aumento de impostos, isto apesar de todas as medidas de devolução de rendimentos.

Ao longo da legislatura, António Costa e Mário Centeno têm posto em práticas várias medidas de devolução de rendimentos dos portugueses, desde a eliminação da sobretaxa, ao aumento dos escalões do IRS, passando por mexidas nas deduções à coleta. Mas a maioria dos portugueses ainda não recuperou do enorme aumento de impostos determinado após a chegada da troika, revelam as simulações da PwC feitas para o Público (acesso condicionado).

“Não será ainda em 2019 que as famílias portuguesas [na sua maioria] irão recuperar o salário líquido que auferiam em 2010, apesar da extinção do sobretaxa de IRS, da reestruturação dos escalões e taxas de IRS, ocorrida em 2018”, diz a fiscalista da PwC, citada pelo Público. A conclusão da consultora só tem em conta o IRS, não contabilizando o efeito de outras medidas que têm um impacto positivo no bolso dos portugueses, seja a descida dos passes sociais ou os manuais escolares gratuitos até ao 12º ano, por exemplo.

Não será ainda em 2019 que as famílias portuguesas [na sua maioria] irão recuperar o salário líquido que auferiam em 2010, apesar da extinção do sobretaxa de IRS, da reestruturação dos escalões e taxas de IRS, ocorrida em 2018.

Ana Duarte

Fiscalista da PwC

É claro que haverá casos de contribuintes que já vão pagar menos impostos do que 2019 face a 2010, mas a maioria das simulações da consultora apontam para o contrário. Por exemplo, um casal com dois filhos, em que pai e mãe recebem um salário mensal bruto de 1500 euros, no final de 2019 ainda vai ter menos 428 euros de rendimento do que teria em 2010. Isto porque, antes da troika pagaria 4.767 euros de imposto e em 2019 vai pagar 5.196, ou seja, em 2010 tinha, um rendimento líquido acima dos 37 mil euros, uma meta a que não vai conseguir chegar no próximo ano.

O mesmo se passará com um contribuinte solteiro que ganhe 800 euros mensais brutos, que vai pagar no próximo ano mais 185 euros do que em 2010. Mas se o mesmo rendimento pertencer a um casal, então aí já há ganhos de rendimento (74 euros), sendo que este é o único caso, dos 12 apresentados pela consultora, em que há recuperação de rendimentos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugueses ainda não recuperaram do “enorme aumento” do IRS de Vítor Gaspar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião