Mário Centeno: “Meta do défice não é cabalística”

Mário Centeno garante que a sua política orçamental é credível, sem derrapagens e sem retificativos, e que existe uma "dimensão de segurança".

Mário Centeno considerou que “a meta do défice não é uma coisa cabalística”. Em entrevista à TVI24, o ministro das Finanças disse que o Governo tem “capacidade e margem” para acautelar uma “situação de desaceleração da economia mundial, que contagie a economia portuguesa”, recusando a possibilidade de deixar derrapar a meta de 2% inscrita no Orçamento do Estado para 2019.

No dia em que apresentou a proposta, depois de a entregar no Parlamento ao início da madrugada desta segunda-feira, o titular da pasta das Finanças afastou também a hipótese de aumentar as cativações orçamentais para cumprir a mesma meta do défice. “Temos capacidade e margem para, em situação de desaceleração da economia mundial, que contagie a economia portuguesa, deixar funcionar os estabilizadores automáticos”, afirmou.

O ministro das Finanças rejeitou as críticas de que o Orçamento é eleitoralista, garantindo que “eleitoralista foi o Orçamento de 2016, que permitiu ao país ganhar credibilidade e sair do Procedimento por Défices Excessivos. Todos os outros vêm na sequência deste”. Mário Centeno considerou que eleitoralista é “um Orçamento que tem políticas económicas credíveis” e garantiu que “é isso que faz ganhar eleições”.

Centeno responde assim às críticas lançadas esta terça-feira pelo Presidente da República. Apesar de ainda não conhecer o documento na íntegra, Marcelo Rebelo de Sousa considerou o Orçamento do Estado eleitoralista.

Reforma a dois anos explica a não atualização de escalões do IRS

Questionado sobre a razão pela qual, no Orçamento do Estado, não houve uma atualização dos escalões do IRS à taxa de inflação, tal como é habitual — uma medida que se poderá traduzir num aumento de impostos para os contribuintes que tiverem aumentos salariais e cujos rendimentos estavam na margem dos escalões –, o ministro explicou a decisão com o “efeito financeiro a dois anos da atualização dos escalões”.

Recorde-se que no Orçamento do Estado para 2018 houve um desdobramento no número de escalões de cinco para sete, o que representou um alívio do IRS para alguns contribuintes, mas cuja totalidade do efeito só se vai sentir em 2019. “Há uma noção de faseamento através da alteração dos escalões”, explicou Mário Centeno.

O governante relembrou que todas as medidas com incidência no IRS tiveram um custo de 1.000 milhões de euros, a que acresce mais 300 milhões de euros este ano: 144 milhões resultam do fim da sobretaxa e 155 dos escalões.

Entre as medidas que vão beneficiar os portugueses, Mário Centeno falou de uma redução da fatura energética, que poderá oscilar entre 10% a 20%, decorrente de uma descida do IVA sobre a “potência contratada” — uma descida de 23% para uma taxa média de 19,5%, o que coloca o nível de tributação português abaixo da média da União Europeia, disse o ministro, mas também do abatimento do défice tarifário e da aplicação da Contribuição Extraordinária sobre o Setor Energético (CESE) às empresas que produzem energia a partir de fontes renováveis.

Esta é uma medida que, segundo o Orçamento do Estado, tem um impacto de 19 milhões de euros, mas que diz respeito apenas a metade da legislatura, sublinhou Centeno, já que a medida carece de uma autorização legislativa e de autorização de Bruxelas.

O ministro das Finanças justificou ainda a decisão de aumentar em 20% o imposto do selo sobre o crédito ao consumo com razões “macroprudenciais, dada a enorme pressão do crédito ao consumo”. Para Mário Centeno, é uma medida “muito relevante e representa a sinalização de uma preocupação que o Governo tem, juntamente com as autoridades que fazem supervisão macroprudencial”.

Carga fiscal sobe ou não?

O Governo espera que, em 2019, haja uma redução de 0,1 pontos percentuais da carga fiscal. O peso dos impostos e das contribuições sociais no PIB deverá ser, no próximo ano, de 34,6%, contra os 34,7% previstos para este ano. Na entrevista, Mário Centeno discordou deste conceito de carga fiscal porque o emprego e as contribuições sociais estão a subir a um ritmo superior ao do PIB, que cresce entre 3,5% e 3,8%.

Além disso, o IVA “tem uma base de incidência tributária que cresce mais do que o PIB”, sublinhou o ministro, justificando este facto com o elevado número de turistas que o país tem acolhido.

(Notícia atualizada às 21h10 com mais informações)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mário Centeno: “Meta do défice não é cabalística”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião