Bloco quer conhecer lista completa dos imóveis concessionados pela Câmara de Lisboa

É "injustificável que, num momento de crise na habitação e alojamento para estudantes, existam concessões de imóveis públicos para turismo", considera o Bloco.

Depois de ter sido conhecido que a antiga residência do presidente da Câmara Municipal de Lisboa está agora disponível para alojamento local, o Bloco de Esquerda quer conhecer a lista completa de imóveis públicos que estão concessionados pela câmara a terceiros.

“O Bloco quer saber que imóveis públicos estão concessionados pela CML, qual o prazo das concessões e sob que condições. Consideramos injustificável que, num momento de crise na habitação e alojamento para estudantes, existam concessões de imóveis públicos para turismo“, pode ler-se em comunicado enviado, esta tarde, às redações.

Os bloquistas querem ainda saber se a CML tem conhecimento da publicitação do anúncio desta casa na plataforma Booking, bem como qual o valor investido até à data pelo concessionário na reabilitação dos espaços previstos no contrato e qual a data prevista para a abertura dos restantes espaços. Vão ainda questionar o executivo da câmara se a instalação de unidades hoteleiras e equivalentes interfere na preservação do parque de Monsanto.

No centro da discussão está uma casa no parque de Monsanto, que chegou a servir de residência de Pedro Santana Lopes, quando este foi presidente da Câmara de Lisboa, bem como de António Costa. Contudo, em 2014, a autarquia aprovou uma proposta para lançar um concurso público para concessionar uma área delimitada da Quinta da Pimenteira, o Moinho do Penedo e duas casas de função (onde se inclui esta antiga residência do presidente da câmara), todas em Monsanto.

Aquela que agora é denominada de Casa do Presidente Villa foi concessionada à empresa MCO II, que paga pagou 3,76 milhões de euros pela reabilitação de todos os edifícios concessionados. Para além desse montante, a MCO II paga à Câmara de Lisboa uma renda de 2.600 euros por mês, mais IVA, durante os 25 anos previstos no contrato. De acordo com a informação disponibilizada no portal Booking, uma noite nesta casa custa 1.117 euros.

Confrontado com esta questão, o atual presidente da Câmara de Lisboa, que nunca morou no imóvel em causa, desvaloriza o assunto. “O presidente da câmara não tem residência oficial, esse é um nome histórico que ficou atribuído a um edifício no parque de Monsanto, que há largos anos não tem esse estatuto. A lei, aliás, não o permite”, referiu Fernando Medina, em declarações transmitidas pela RTP 3.

“Terminado o prazo da concessão, todo o património, já reabilitado, permanecerá propriedade do Município e Lisboa, que não quis abdicar desse património”, detalhou, entretanto, a Câmara de Lisboa, em comunicado divulgado esta tarde.

Notícia atualizada às 16h58 com esclarecimento da Câmara Municipal de Lisboa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bloco quer conhecer lista completa dos imóveis concessionados pela Câmara de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião