Itália assombra Wall Street. Bolsas caem mais de 1,5%

As bolsas norte-americanas seguem em queda, pressionadas pela Itália, que viu a proposta do Orçamento para o próximo ano ser recusada pela Comissão Europeia.

As bolsas norte-americanas estão em queda, pressionadas pelas tensões vindas de Itália e da Arábia Saudita. Destaque ainda para as perdas do índice industrial, com a Caterpillar e a 3M — dois pesos pesados do setor industrial –, a afundarem, no dia em que apresentaram resultados, que levantaram preocupações nos investidores.

O principal índice de Nova Iorque, S&P 500, está a recuar 1,52% para 2.714,07 pontos, assim como o tecnológico Nasdaq que desvaloriza 1,9% para 7.327,08 pontos. Wall Street está a ser marcado por um cenário de quedas, motivadas por pressões oriundas de vários mercados.

Itália está a assombrar as bolsas, depois Bruxelas ter rejeitado a proposta do Orçamento do Estado para o próximo ano de Itália. O chumbo foi anunciado por Valdis Dombrovskis depois de o Governo italiano se ter recusado a alterar os planos orçamentais tal como Bruxelas tinha pedido.

Também as bolsas asiáticas estão a ser arrasadas, numa altura em que aumentam as tensões na Arábia Saudita devido à morte do jornalista Jamal Khashoggi.

Para além disso, os investidores ainda estão preocupados com a economia chinesa, mesmo depois de o Governo ter dito que iria avançar com estímulos para acelerar esse crescimento, avança a Reuters (conteúdo em inglês). Ainda sobre a China, continuam a pairar sobre os mercados as tensões devido à guerra comercial com os Estados Unidos.

Caterpillar e 3M afundam Dow Jones

Nesta sessão, o índice industrial Dow Jones está a cair de forma acentuada, recuando 1,7% para 24.886,71 pontos. A contribuir para este desempenho do setor industrial estão dois pesos pesados, que seguem em queda após apresentarem resultados que não agradaram aos investidores. A Caterpillar recua 7,34% para 119,26 dólares, depois de ter anunciado lucros acima do esperado, mas ter afirmado que os custos de material aumentaram devido às tarifas impostas sobre o aço, avança a CNBC.

Também a multinacional norte-americana 3M segue a desvalorizar 5,89% para 186,8 dólares, embora tenha reportado lucros que ficaram aquém das expectativas, tendo a empresa revisto em baixa os lucros para o próximo ano.

“A 3M está a diminuir a sua previsão para o próximo ano, o que é uma preocupação para os investidores norte-americanos, que receiam uma desaceleração do crescimento. O mundo está a abrandar e as nossas empresas estão a sentir essa dor“, diz Kim Forrest, do Fort Pitt Capital Group, citado pela Reuters.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Itália assombra Wall Street. Bolsas caem mais de 1,5%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião