Pacote de habitação adiado. Helena Roseta bate com a porta do grupo do trabalho

O PS pediu para adiar a votação do pacote do arrendamento, um requerimento rejeitado por Bloco e PCP e que levou Helena Roseta a renunciar à coordenação do grupo de trabalho da habitação.

As alterações ao regime do arrendamento urbano, bem como a introdução de incentivos fiscais ao arrendamento e a implementação de um programa de rendas acessíveis, voltaram a ser adiadas. O pedido de adiamento foi feito pelo Partido Socialista (PS), que quer que as votações deste pacote legislativo sejam empurradas para depois do Orçamento do Estado para 2019. Bloco de Esquerda e PCP rejeitaram a proposta, mas o pedido de adiamento foi acompanhado pelo PSD.

A votação indiciária do requerimento decorreu, esta terça-feira, no grupo de trabalho parlamentar que desde maio está a discutir as alterações à lei do arrendamento. A votação ainda terá de ser repetida esta tarde, na Comissão de Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação, mas o adiamento deverá ser confirmado, já que o PS conta com o apoio do PSD. Assim, só em dezembro é que o Parlamento voltará a discutir esta pasta. Isto porque os trabalhos parlamentares serão interrompidos na próxima semana, quando arranca a votação na generalidade do Orçamento do Estado para 2019. A votação final global do Orçamento só terá lugar a 27 de novembro e os trabalhos parlamentares recomeçam na primeira semana de dezembro.

Tanto o PCP como o Bloco de Esquerda se opuseram a este adiamento, levantando questões quanto ao prazo de implementação da lei. “A legislação que estamos a discutir tem implicações orçamentais, o que significa que, se não aprovarmos estas medidas antes do orçamento, corremos o risco de estas medidas não entrarem em vigor antes da próxima legislatura”, apontou o deputado bloquista Pedro Soares. “Este processo não começou ontem. Já vem desde maio, devido a uma situação de grande instabilidade para as famílias. O que se exigia da Assembleia da República era uma resposta a estas famílias”, disse, por seu lado, a deputada comunista Paula Santos.

O PS garante, contudo, que a legislação poderá estar pronta para entrar em vigor já no arranque do próximo ano. “Estas são propostas da iniciativa do Governo e, na proposta do Orçamento do Estado, o mapa de receita e de despesa já prevê estas alterações. Da nossa parte, não colocaremos obstáculos à entrada em vigor destas leis no dia 1 de janeiro de 2019”, referiu o deputado socialista João Paulo Correia, em declarações aos jornalistas.

Seja como for, o pedido de adiamento causou desconforto, mesmo dentro do PS. A deputada Helena Roseta, até agora coordenadora do grupo de trabalho da habitação, renunciou às suas funções neste grupo, por discordar da posição do seu grupo parlamentar. “Quando há um conflito entre a disciplina partidária e o dever de consciência — neste caso, não adiar uma coisa que considero urgentíssima — entendo que um deputado vota de acordo com a sua consciência”. A deputada critica ainda o facto de o PS ter pedido um terceiro adiamento das votações. “O PS pede o adiamento porque não conseguiu maioria. Isto põe em causa o funcionamento democrático dos órgãos eleitos. Adiar sucessivamente porque não se conseguiu maioria é um mau princípio“.

O pedido de adiamento do PS surge depois de ter sido noticiado que os socialistas não conseguiram reunir apoio à esquerda para aprovar o novo programa de arrendamento acessível e a introdução de incentivos fiscais para promover o arrendamento de longa duração. O objetivo será, assim, ganhar tempo para chegar a um entendimento com os restantes partidos. “Continuamos a olhar para este como um tema urgente, mas a pressão não pode ser inimiga da boa lei. E estas nunca serão boas leis se não forem primeiramente aprovadas”, referiu o deputado João Paulo Correia. “Estamos a falar de áreas distintas, em que os partidos têm opiniões muito próprias. É difícil conseguir uma maioria por cada tema que é proposto. Isso requer tempo e precisamos de mais algumas semanas”, resumiu.

Notícia atualizada pela última vez às 11h40 com mais informação.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pacote de habitação adiado. Helena Roseta bate com a porta do grupo do trabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião