Raize alia-se à DIF Broker para investir em PME portuguesas

A fintech portuguesa assinou uma parceria com a DIF Broker para financiarem pequenas e médias empresas nacionais. Algo que pode ter um impacto positivo na dinamização do mercado de capitais.

A Raize assinou uma parceria com a DIF Broker para investir no capital das PME nacionais, anunciou a fintech em comunicado. Este passo vai permitir à mais recente cotada nacional reforçar a presença junto das PME, ao disponibilizar uma estrutura que vai “projetar o potencial” destas empresas junto de investidores, que pode ter um impacto positivo na dinamização do mercado de capitais.

A parceria, assinada a 19 de outubro, vai permitir à Raize “alargar a sua proposta de valor junto das empresas e reforçar o seu posicionamento de referência no financiamento médio/longo-prazo da economia portuguesa“, lê-se no comunicado. “Temos um contacto próximo com milhares de PME portuguesas o que cria um ecossistema ideal para se encontrarem boas oportunidades de investimento”, diz Afonso Fuzeta Eça, fundador da fintech.

Considerando ser um “passo importante para uma maior aproximação dos investidores de capital com as PME” nacionais, Pedro Lino, CEO da DIF Broker, diz que “os investidores continuam atentos a oportunidades, a manifestar interesse em investir nas boas empresas portuguesas e vemos esta parceria com a Raize como uma excelente forma de promover esse contacto”.

A interação com os investidores vai ser feita diretamente pela DIF Capital, que afirma que estas PME “ganham o acesso a uma estrutura que projeta o seu potencial junto de investidores, valorizando-se, obtendo a possibilidade de terem um acompanhamento personalizado na expansão da atividade ou internacionalização”. Por outro lado, continua, “os investidores vêm reforçado o leque de oportunidades de investimento levando a uma alocação mais eficiente dos seus capitais“.

Esta parceria pode ainda ter um impacto positivo na dinamização do mercado de capitais, diz o comunicado. “É a nossa expectativa que algumas das empresas investidas possam vir a entrar em bolsa no futuro“, remata José Maria Rego, CEO da Raize

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Raize alia-se à DIF Broker para investir em PME portuguesas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião