Hoje nas notícias: hotelaria, Fisco e Santana Lopes

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

O setor hoteleiro quer duplicar a oferta em Lisboa e no Porto. A concretizar-se, em Lisboa passarão a existir 67.367 camas e no Porto serão 22.100, números que não têm em conta o alojamento local. Na Justiça, a PJ apanhou uma rede chinesa de fuga ao Fisco que atuava, principalmente, no norte do país. Já a equipa de Santana Lopes na Santa Casa foi notificada pelo Tribunal de Contas por infrações financeiras. No setor empresarial, o Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN) — que em seis anos injetou mais de três mil milhões de euros nas empresas — teve avaliação positiva, no geral. O relatório é apresentado esta quarta-feira.

Hoteleiros querem duplicar oferta em Lisboa e no Porto

Sendo a maioria hotéis, Lisboa tem uma carteira de 208 empreendimentos turísticos com parecer positivo do Turismo de Portugal (TdP). De acordo com o sistema de informação do TdP, estes projetos em carteira irão disponibilizar mais 23.237 camas, que se somarão às 44.130 em operação. Se todos estes investimentos se concretizarem, a capital irá passar a contar com um total de 418 empreendimentos turísticos e 67.367 camas, sem contar com a oferta de alojamento local. A norte, o Porto tem uma carteira de 93 empreendimentos turísticos com parecer positivo do Turismo de Portugal.

Leia a notícia completa em Diário de Notícias (acesso pago).

Megaoperação da PJ apanha rede chinesa de fuga ao Fisco

A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) participou nas buscas da Polícia Judiciária (PJ) que procuravam transferências suspeitas no valor de 60 milhões de euros. A ação, sobretudo no norte do país, visou donos de armazéns devido a alegadas vendas de artigos sem faturação. A rede chinesa de fuga ao Fisco foi desmantelada pela PJ.

Leia a notícia completa em Jornal de Notícias (acesso pago).

Fisco “vai ter uma dose brutal de informação” sobre empresas

Os contabilistas aguardam a entrada em vigor de novas regras de pré-preenchimento da Informação Empresarial Simplificada (IES) a entregar ao Fisco. Helena Borges, diretora-geral da Autoridade Tributária e Aduaneira, considera que esta nova ferramenta vai trazer ao Fisco “uma dose brutal de informação” sobre as empresas. Em resposta às preocupações de o Fisco passar a ter a vida das empresas nas suas mãos, Helena Borges diz que os dados que as empresas vão passar a enviar continuarão a ser usados “apenas para detetar padrões de incumprimento não para detetar aspetos exteriores à nossa missão”.

Leia a notícia completa em Jornal de Negócios (acesso pago).

Infrações financeiras de Santana na mira do Tribunal de Contas

O Tribunal de Contas (TdC) notificou, esta semana, a equipa de Santana Lopes na Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) da aplicação de multas por várias infrações financeiras por negligência respeitante a atos praticados naquela instituição, no período entre 2012 e 2014. Em causa estão irregularidades de procedimentos encontradas durante uma auditoria da Inspeção-Geral do Ministério do Trabalho e Segurança Social (IGMTSS) concluída em abril de 2016.

Leia a notícia completa em Público (acesso pago).

Quem tudo QREN tudo ganha

Os seis anos em que o Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN) injetou mais de três mil milhões de euros nas empresas tiveram nota positiva. Uma das conclusões da “Avaliação do Impacto dos Fundos Europeus Estruturais e do Investimento no Desempenho das Empresas”, que é apresentada esta quarta-feira no ISCTE – Instituto Universidade de Lisboa, é que as empresas portuguesas apoiadas por dinheiros comunitários foram capazes de diminuir o fosso salarial entre homens e mulheres. “Regista-se um aumento dos salários médios da mulheres face aos dos homens, decorrente dos incentivos públicos” do QREN, lê-se no documento.

Leia a notícia completa em TSF (acesso livre).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: hotelaria, Fisco e Santana Lopes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião