Três meses depois da estreia em bolsa, Raize baixa do preço do IPO

Ações da plataforma de financiamento a PME chegou ao mercado a valer dois euros por ação, mas cada título está agora a negociar abaixo desse valor: 1,95 euros.

As ações da Raize, uma plataforma portuguesa de financiamento a pequenas e médias empresas, baixaram pela primeira vez dos 2,00 euros com que se estrearam na bolsa nacional há pouco mais de três meses. Estão a deslizar 3,5% para 1,95 euros.

Foi a 18 de julho que a Raize, liderada por José Maria Rego, chegou ao mercado alternativo da Euronext, a Euronext Access, depois de uma operação de dispersão de capital inicial que contou com forte participação. A startup tinha acabado de vender 750 mil títulos a cerca de 1.400 investidores, com a procura a superar em quase quatro vezes a oferta.

Nas primeiras sessões em bolsa foi notório o entusiasmo em torno da cotada recém-chegada. Prova disso foram as valorizações que se seguiram à estreia no mercado: valorizou 10% na primeira sessão e na segunda tocou um máximo de sempre nos 2,40 euros.

Feitas as contas, com o desempenho desta sexta-feira, a Raize apresenta-se atualmente com uma avaliação de mercado de 9,5 milhões de euros — abaixo dos 10 milhões com que chegou ao mercado. E isto num dia em que os mercados acionistas evidenciam forte aversão ao risco dos investidores, que castigam sobretudo o setor tecnológico. O PSI-20, o principal índice português, cede 1,58% para 4.909,97 pontos. O Stoxx 600, a referência europeia, perde quase 2%.

A Raize é uma bolsa de empréstimos para pequenas e médias empresas (PME), que conta já com mais 34 mil investidores na plataforma. Já financiou empresas num montante total superior a 16,5 milhões de euros, em mais de 750 operações.

Nos resultados do primeiro semestre, a empresa apresentou lucros de 21 mil euros.

(Notícia atualizada às 16h21)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Três meses depois da estreia em bolsa, Raize baixa do preço do IPO

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião