Banco de Inglaterra corta previsões de crescimento. Culpa é do Brexit

  • Lusa
  • 1 Novembro 2018

Mark Carney reduziu a previsão de crescimento para 1,3% em 2018 e para 1,7% em 2019 devido aos efeitos da saída da União Europeia.

O Banco de Inglaterra manteve a taxa de juro no Reino Unido em 0,75%, reduzindo, contudo, a previsão de crescimento para 1,3% em 2018 e para 1,7% em 2019 devido aos efeitos da saída da União Europeia.

A decisão foi tomada na reunião periódica do comité de política monetária e teve em conta o Brexit, através do qual o Reino Unido concretizará em março de 2019 a saída da União Europeia.

A manutenção das taxas de juro por parte da instituição liderada por Mark Carney já era esperada pelos analistas, após a subida registada em agosto passado.

Na reunião, aquela instituição decidiu ainda manter o seu programa de estímulo económico, alocando 445 mil milhões de libras (cerca de 500 mil milhões de euros) para compra de dívida privada e soberana.

O Reino Unido está perto de fechar um acordo com a União Europeia sobre serviços financeiros que poderá facilitar o acesso das empresas britânicas ao mercado único europeu, disse hoje à Lusa fonte oficial.

A saída oficial está marcada para 29 de março de 2019, estando atualmente em negociações sobre os termos do divórcio e num impasse devido à fronteira entre a província britânica da Irlanda do Norte e a República da Irlanda, Estado-membro da UE.

Caso exista um entendimento, esta previsto um período de implementação dos termos do acordo até ao final de 2020, em que as relações entre o Reino Unido e o bloco europeu serão as mesmas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco de Inglaterra corta previsões de crescimento. Culpa é do Brexit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião