Governo propõe que Montepio e Monaf passem para a supervisão do regulador dos seguros

Associação Mutualista Montepio e Montepio das Farmácias são as duas grandes mutualistas que vão passar para a supervisão do regulador do seguros, transição que pode acontecer antes do final do ano.

Já estão identificadas as associações mutualistas que vão passar para a supervisão do regulador dos seguros nos próximos dois meses. Na proposta que foi entregue ao Ministério das Finanças e ao Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, e que vem acompanhada de um parecer da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF), surgem apenas dois nomes: Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG) e Montepio Nacional de Farmácias (Monaf), sabe o ECO.

Desde o dia 1 de setembro, quando entrou em vigor o novo Código das Associações Mutualistas, que os responsáveis do serviço competente da área da Segurança Social estiveram a analisar os dados financeiros de todas as associações mutualistas. Tinham até esta quarta-feira para submeter uma proposta fundamentada (e com parecer da ASF) relativa às associações mutualistas que reúnem os requisitos de dimensão previstos no novo código das mutualistas para ficarem abrangidas pelo novo regime de supervisão financeira: 1) volume de quotas das modalidades de segurança social que excedam os cinco milhões de euros e 2) fundos associados ao financiamento dessas modalidades superiores a 25 milhões.

A proposta fundamentada já foi enviada para o Governo, decorrendo agora um prazo de 60 dias para que os ministérios de Mário Centeno e de Vieira da Silva tomem uma decisão, por despacho. Publicado este despacho, a AMMG e a Monaf passam a estar sob a alçada da supervisão financeira do regulador do setor dos seguros liderado por José Almaça, algo que pode acontecer antes do final do ano. Ainda assim, as duas instituições vão poder contar com um período de transição de 12 anos para se adaptarem às mesmas regras que se aplicam às companhias seguradoras.

O ECO questionou o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, mas não obteve ainda uma resposta.

Os dois nomes não surpreendem dado que o ministro Vieira da Silva já havia dito em junho que a AMMG e a Monaf (que, embora se chamando Montepio, não tem ligações à AMMG) deveriam cumprir os dois requisitos legais para passarem para o novo regime de supervisão financeira.

Mas o tema da supervisão financeira ganha relevância tendo em conta as eleições que se avizinham no Montepio, a maior associação mutualista do país com mais de 600 mil associados. Isto porque as novas regras do código trazem critérios mais apertados no que toca ao registo e idoneidade dos gestores das grandes mutualistas e há dúvidas sobre se Tomás Correia, que tem processos no Banco de Portugal e no Ministério Público, reúne as condições para continuar a liderar a instituição.

Foi o que mencionou Fernando Ribeiro Mendes, aquando da formalização da sua candidatura para liderança da AMMG: “O Dr. Tomás Correia, por força dos processos abertos no regulador da banca e no domínio judicial, caso viesse a ser eleito, teria de sair no dia seguinte por força do novo Código Mutualista, uma vez que não se pode registar previamente como é agora exigência”.

As eleições para os órgãos sociais da AMMG acontecem no próximo dia 7 de dezembro. Na corrida para o conselho de administração estão Tomás Correia, Fernando Ribeiro Mendes e António Godinho.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo propõe que Montepio e Monaf passem para a supervisão do regulador dos seguros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião