Ninguém chumbou nos testes de stress à banca. Barclays, Lloyds e BPM tiveram as piores notas

A Autoridade Bancária Europeia (EBA, na sigla em inglês) levou os bancos europeus a exame. Ninguém chumbou, mas três instituições, duas delas britânicas, ficaram entre as piores.

A Autoridade Bancária Europeia (EBA, na sigla em inglês) levou os bancos europeus a exame. Nenhuma das instituições financeiras avaliadas nos testes de stress chumbou, reflexo da crescente resiliência do setor. No entanto, houve quem tivesse apresentado resultados menos positivos, nomeadamente o Barclays, o Lloyds, de Horta Osório, mas também um banco italiano.

Um total de 48 bancos europeus foram chamados a exame, não havendo nenhum português na lista. Destas quase cinco dezenas de instituições, todas conseguiram apresentar um resultado acima daquele que é considerado um rácio mínimo neste que é considerado o teste mais exigente desde que começaram a ser realizados exames regulares ao setor.

Apesar de todos terem apresentado resultados satisfatórios, há algumas instituições cujos resultados suscitam alguma cautela. O Barclays está em destaque ao apresentar rácio de capital Core Equity Tier 1 de 6,37% em cenário adverso, ou seja, em que se assista a uma contração da economia da Zona Euro de 8,3%.

Este resultado é pior do que o apresentado pelo banco liderado por Horta Osório, o Lloyds, que ficaria com um CET1 de 6,80% em cenário de stress. Mas antes do Lloyds surge ainda um banco italiano, o Banco Popolare di Milano, que ficou em segundo, a contar do fim, com um CET1 de 6,67%, de acordo com o relatório publicado pela EBA.

Fora do “pódio” surge o NordLB, com um CET1 já acima de 7%, sendo o pior dos bancos alemães no teste. Entre os germânicos, era grande a expectativa para saber como se sairia o Deutsche Bank, mas a instituição acabou por terminar o exame com um rácio de capital de 8,14%, bem melhor do que outras instituições, nomeadamente o Société Générale, de França. Ficou com 7,61%.

Entre os espanhóis, o Banco de Sabadell ficou com a pior marca (7,58%), enquanto o Santander, que controla o Santander Totta, fechou o teste com um rácio de 9,20%, já o CaixaBank, dono do BPI, apresenta, nos testes da EBA, um rácio de capital de 9,11%.

(Notícia atualizada às 17h56 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ninguém chumbou nos testes de stress à banca. Barclays, Lloyds e BPM tiveram as piores notas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião