Governo aprova novo modelo de gestão de slots para escapar a multa de 1,84 milhões

Governo aprovou hoje um novo modelo para a gestão da atribuição de slots nos aeroportos para evitar multa de 1,84 milhões de euros por desrespeitar a anterior decisão do Tribunal de Justiça.

A Comissão Europeia decidiu instaurar uma ação no Tribunal de Justiça da UE contra Portugal, por não ter executado integralmente o acórdão do tribunal de 2016 e pede que sejam aplicadas multas pesadas a Portugal. Em causa está o facto de Portugal não apresentar as “garantias necessárias relativas à independência funcional e financeira da ANA, enquanto entidade coordenadora das ‘slots’ nos aeroportos. Na sequência desta decisão, o Governo aprovou esta manhã, em Conselho de Ministros, um novo modelo para a gestão da atribuição de faixas horárias, esperando assim escapar às sanções previstas por Bruxelas.

“A Comissão solicitou ao Tribunal de Justiça da UE a imposição de uma quantia fixa correspondente a 1.849.000 euros. A Comissão propõe igualmente uma sanção pecuniária diária de 7.452 euros se o Estado-membro não executar o acórdão na sua integralidade até à data em que o Tribunal emitir o seu segundo acórdão”, revela o comunicado da Comissão Europeia desta quinta-feira. No entanto, a decisão final quanto à aplicação destas sanções cabe ao tribunal.

A Comissão solicitou ao Tribunal de Justiça da UE a imposição de uma quantia fixa correspondente a 1.849.000 euros. A Comissão propõe igualmente uma sanção pecuniária diária de 7.452 euros se o Estado-membro.

Comissão Europeia

Na conferência de imprensa no final da reunião do Conselho de Ministros, a ministra da Presidência disse que o Governo espera e “tudo fará” para que o problema “fique sanado” tendo em conta o diploma aprovado. Maria Manuel Leitão Marques explicou que o ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, contactou na quarta-feira passada a comissária europeia responsável pela área “informando que o Governo português aprovaria com uma grande brevidade, e foi hoje aprovado, o seu modelo para esta regulação”.

Admitindo que o Governo estava “atrasado na produção legislativa sobre esta matéria, e daí a posição da Comissão Europeia”, a ministra da Presidência afirmou esperar que “se resolva e que isso não signifique o pagamento de uma multa pelo atraso”.

O Tribunal de Justiça da UE tinha dado razão, em junho de 2016, a Bruxelas que acusava Portugal de não garantir a independência da ANA -Aeroportos de Portugal enquanto coordenadora do processo de atribuição de faixas horárias (‘slots’) nos aeroportos de Lisboa, Porto, Madeira e Faro. “Mais de dois anos depois, a questão permanece por resolver e as autoridades portuguesas não adotaram as medidas nacionais para assegurar o estatuto de independência do coordenador” da atribuição das slots, argumenta a Comissão Europeia.

O coordenador das faixas horárias é responsável pela atribuição de faixas horárias de aterragem e de descolagem, de um modo não discriminatório, imparcial e transparente, um dos pilares fundamentais de um sistema de aviação que permite uma concorrência leal, explica a Comissão. Os Estados-membros são responsáveis por separar funcionalmente o coordenador das faixas horárias de qualquer parte interessada, facto que não se verifica em Portugal, segundo a Comissão. Além disso, o sistema de financiamento do coordenador deve garantir a sua independência, outra das regras comunitárias que Bruxelas considera que Portugal está a violar.

O ECO precisou junto de fontes oficiais da Comissão que o que está em causa não é o comportamento da ANA, mas sim do Estado português. “É um processo em curso no Tribunal por isso não podemos avançar muito mais”, sublinhou ao ECO fonte oficial.

No entanto, fonte da Presidência do Conselho de Ministros precisou à Lusa que será criada uma nova entidade coordenadora sem fins lucrativos que reunirá as entidades já existentes no setor, ANA – Aeroportos de Portugal, NAV, companhias aéreas e “outras que possam vir a manifestar interesse em fazer parte”. De acordo com o novo modelo, caberá à ANAC [Associação Nacional de Aviação Civil] o papel de regulador e fiscalizador, adiantou a mesma fonte.

(Notícia atualizada com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo aprova novo modelo de gestão de slots para escapar a multa de 1,84 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião