Arábia Saudita defende redução da produção de petróleo para equilibrar mercado. Preços sobem

  • ECO e Lusa
  • 12 Novembro 2018

Segundo Khaled al-Faleh, uma análise técnica mostrou a necessidade de reduzir a produção mundial de petróleo em um milhão de barris por dia, para equilibrar o mercado.

O ministro da Energia da Arábia Saudita, Khaled al-Faleh, revelou esta segunda-feira que uma análise técnica demonstrou a necessidade de reduzir a produção mundial de petróleo em um milhão de barris por dia, com o objetivo de equilibrar o mercado. Os preços da matéria-prima reagiram em alta.

O barril de Brent segue a valorizar 1,65%, para os 71,34 dólares, no mercado londrino, mas já chegou a cotar nos 71,88 dólares, enquanto o barril de crude, negociado em Nova Iorque, já voltou a passar os 60 dólares, avança 1% para os 60,79 dólares, mas já esteve nos 61,28 dólares.

“A análise técnica que estudámos ontem [domingo] revela que precisamos de uma redução de cerca de um milhão de barris por dia para equilibrar o mercado”, disse Faleh, que falava numa conferência sobre energia em Abu Dhabi.

O responsável adiantou que houve um acumular de stocks e que “os 25 países produtores não permitirão que isso continue”. “Os sinais que enviámos ontem [domingo]” significam que “faremos (….) o que será necessário para equilibrar o mercado”, afirmou Faleh.

No domingo, na abertura da reunião em Abu Dhabi de países membros da OPEP – Organização dos Países Exportadores de Petróleo e não membros do cartel, o governante saudita já tinha anunciado que o seu país vai reduzir a produção de petróleo, o que levará a uma queda nas exportações de 500 mil barris por dia já no próximo mês.

Presos entre o aumento da produção em alguns dos principais países produtores e o medo de queda na procura, os preços do petróleo caíram quase 20% em um mês, depois de um pico no início de outubro, em que atingiu o seu nível mais alto dos últimos quatro anos.

Desde dezembro de 2016, os países da OPEP, liderados pela Arábia Saudita, e outros produtores que não fazem parte do cartel, como a Rússia, têm um acordo de redução da produção de petróleo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Arábia Saudita defende redução da produção de petróleo para equilibrar mercado. Preços sobem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião