OPEP discute corte na produção. Petróleo já sobe 1,4%

A OPEP terá em cima da mesa um plano para cortar a produção de petróleo em 1,4 milhões de barris por dia. A cotação da matéria-prima inverteu a tendência negativa e já subiu mais de um dólar.

Reviravolta nos mercados internacionais. O preço do petróleo inverteu a queda registada no início da sessão e sobe 1,42% em Londres, depois de uma notícia avançada pela Reuters que indica que a OPEP está mesmo a preparar um corte na produção na ordem dos 1,4 milhões de barris diários.

O Brent, referência para as importações nacionais, chegou a recuar mais de 0,2% no arranque da sessão desta quarta-feira. Em causa, um tweet publicado esta semana pelo Presidente Donald Trump, em que pressionava a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) a não cortar a produção da matéria-prima para que o preço do petróleo se mantenha reduzido.

Contudo, três fontes disseram à Reuters que o cartel do petróleo está mesmo a discutir um corte na produção de petróleo de 1,4 milhões de barris diários, poucos meses depois de a ter decidido aumentar. Recentemente, a Arábia Saudita mostrou receios de que os países estejam a produzir mais petróleo do que aquele que é consumido pelas nações.

Neste contexto, o preço do petróleo em Londres avança 1,42%, para 66,40 dólares, uma adição líquida à cotação que é superior a um dólar. Em Nova Iorque, o contrato futuro para entrega em dezembro avança 0,79%, para 56,13 dólares por barril.

Na bolsa de Lisboa, a Galp Energia, que chegou a cair mais de 2% ao início da manhã, suavizou as perdas e está a recuar 0,5%, para 14,07 euros, naquela que é a sétima sessão consecutiva de desvalorização para a empresa liderada por Carlos Gomes da Silva.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OPEP discute corte na produção. Petróleo já sobe 1,4%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião