Pensões arriscam não aumentar tanto como previsto

  • ECO
  • 14 Novembro 2018

As pensões correm o risco de aumentar menos do que o previsto pelo Governo e inscrito na proposta de Orçamento do Estado para 2019, devido à queda da inflação decisiva para este aumento.

As pensões poderão sofrer um aumento mais pequeno do que foi previsto pelo Governo e inscrito na proposta de Orçamento do Estado para 2019. Isto porque a inflação decisiva para o aumento de pensões, que se aplicará no próximo mês de janeiro a mais de um milhão de pensionistas, está em queda e, assim, a distanciar-se das previsões.

O Governo assume uma previsão de 1,3%, o que, consequentemente, daria um aumento de 1,8% para a esmagadora maioria das pensões — as que estão agora abaixo dos 858 euros (dois Indexantes de Apoios Sociais [IAS]) –, de 1,3% para as que estão entre esse valor e cerca de 2,573 euros e de 1,05% para as que se encontram no escalão seguinte.

Esta terça-feira, os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), dão conta que a inflação média de doze meses sem habitação — o indicador que interessa para esta fórmula — tem vindo a cair, de 1,3% (em janeiro) para 1,1% (em dezembro). Por este motivo, num cenário em que a inflação ficasse em 1,1% o final do ano, uma vez que é o valor do mês de dezembro que conta, os aumentos das pensões ficariam duas décimas abaixo do que prevê o Governo no orçamento.

Portanto, um aumento de 1,6% para as pensões abaixo dos 858 euros, 1,1% para o segundo escalão e 0,85% para as pensões mais altas.

De acordo com os economistas, questionados pelo Negócios, o Montepio e do Santander, a sua previsão para a inflação média em dezembro é de 1,2%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pensões arriscam não aumentar tanto como previsto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião