Empresa investe mais de 50 milhões em produção de amêndoa no Fundão e Idanha-a-Nova

  • Lusa
  • 16 Novembro 2018

A empresa Veracruz vai instalar no Fundão e Idanha-a-Nova, um projeto de produção de amêndoa com cinco mil hectares, num investimento superior a 50 milhões de euros.

A empresa Veracruz vai instalar no Fundão e Idanha-a-Nova, distrito de Castelo Branco, um projeto de produção de amêndoa com cinco mil hectares, num investimento superior a 50 milhões de euros, afirmou hoje o seu diretor-geral.

“Primeiro avançamos com dois mil hectares, mas ideia é abrir o capital da empresa e chegarmos a cinco mil hectares de plantação de amêndoa. Em termos de investimento total, está entre 50 a 60 milhões de euros”, disse hoje à agência Lusa o diretor-geral da empresa “Veracruz”, Gustavo Ramos, que apresentou o projeto durante a conferência “Valorizar o Interior”, uma iniciativa organizada pela revista Vida Rural em colaboração com a autarquia fundanense.

Gustavo Ramos esclareceu que a empresa Veracruz é portuguesa e foi criada por dois sócios (um português e outro brasileiro) para levar a cabo este projeto, que será implementado por fases e que também inclui a construção de uma fábrica e a criação de cerca de 60 postos de trabalho diretos.

A primeira fase já está no terreno e compreende a plantação de dois mil hectares, o que implicará mais de dois milhões e meio de amendoeiras, segundo explicou o diretor-geral da Veracruz, que, tal como um dos sócios, é brasileiro.

“Atualmente, a empresa já tem 1.200 hectares: 330 hectares no Fundão e o restante em Idanha-a-Nova. Desses 1.200 hectares, já temos 200 hectares plantados, no Fundão”, acrescentou, explicando que, em Idanha-a-Nova, estão agora a decorrer os trabalhos de preparação das terras.

Segundo o diretor-geral, a empresa já comprou uma propriedade no Fundão, mais três em Idanha-a-Nova e pretende ainda adquirir ou arrendar outras áreas.

“A perspetiva é que na primavera de 2021 já possamos estar a colher as primeiras amêndoas, sendo que, quando estivermos em velocidade cruzeiro esperamos colher 2.500 quilos de amêndoas por cada hectare”, acrescentou.

Relativamente à unidade fabril, Gustavo Ramos explicou que a localização ainda não está definida, mas que a mesma ficará neste distrito e que deve estar concluída até 2024.

“O outro objetivo, além da plantação, é implementar uma fábrica onde vamos fazer o descasque da amêndoa e onde, posteriormente, faremos o processamento da amêndoa, entrando depois na componente da farinha e dos laminados“, referiu.

Acrescentou ainda que já está em estudo a forma de aproveitar a casca da amêndoa e da pele que envolve a casca.

Gustavo Ramos explicou ainda que a existência de água, o clima, a temperatura (existência de horas de frio e de calor), bem como o apoio municipal ou a centralidade relativamente a portos de escoamento de produto e a cidades como Lisboa, Porto e Madrid (Espanha) foram aspetos que pesaram na escolha de Portugal e destes dois concelhos para concretizar o projeto.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresa investe mais de 50 milhões em produção de amêndoa no Fundão e Idanha-a-Nova

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião