Ministério das Finanças espera acordo mas prepara planos de contingência para Brexit

  • Lusa
  • 19 Novembro 2018

O secretário de Estado das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, diz que os planos de contingência para o caso de um "Brexit que não seja cooperativo" estão em marcha.

O secretário de Estado das Finanças disse esta segunda-feira, em Bruxelas, esperar que haja acordo para uma saída ordenada do Reino Unido da UE, mas admitiu que o risco de “não acordo” existe, pelo que o Governo está a preparar-se.

“O Ministério das Finanças e o Governo português, em geral – não só o Ministério das Finanças –, têm estado a acompanhar a questão do Brexit e, portanto, temos estado envolvidos em todo o trabalho que tem sido feito ao nível do Governo sobre as questões da contingência”, para “que os portugueses possam estar tranquilos”, disse Ricardo Mourinho Félix.

O secretário de Estado das Finanças, que falava à saída de uma reunião do Eurogrupo, sublinhou que todos estão a trabalhar no sentido de fechar “uma solução para o Brexit que seja cooperativa, e que portanto não seja necessário ativar quaisquer planos de contingência”, mas confirmou que estes estão em marcha, a nível nacional e europeu.

“Estamos a olhar para um conjunto de questões na área económica e financeira, obviamente, em que é preciso perceber se, de facto, houver um Brexit que não seja cooperativo, como é que se resolve um conjunto de questões que eu não gostaria agora de estar a detalhar nem a abordar”, apontou.

Reiterando que um Brexit “cooperativo” é “do melhor interesse quer do Reino Unido, quer da União Europeia, quer de todos os Estados e todos os cidadãos”, Ricardo Mourinho Félix reconheceu todavia que o risco de não haver acordo “obviamente existe e não pode ser negado”, face às dificuldades das primeira-ministra britânica Theresa May, em conseguir a aprovação do projeto de acordo pelo parlamento britânico.

“Existe um conjunto de trabalhos, no sentido de que os portugueses possam estar tranquilos face a essa situação, porque estamos a acompanhar as respostas que podem ser dadas numa situação dessas”, garantiu então.

Os chefes de Estado e de Governo da UE a 27 reúnem-se num Conselho Europeu extraordinário, no próximo domingo, em Bruxelas, para aprovar o projeto de acordo alcançado na semana passada, subsistindo a incógnita em torno da aprovação do documento pelo parlamento britânico, já que são muitas as vozes contra os contornos do acordo, incluindo dentro do partido conservador de May.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministério das Finanças espera acordo mas prepara planos de contingência para Brexit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião