Costa e Marcelo aplaudem acordo do Brexit porque salvaguarda os direitos dos portugueses

  • Lusa e ECO
  • 16 Novembro 2018

O primeiro-ministro e o Presidente da República garantiram que os termos da proposta de acordo do Brexit defendem os direitos dos cidadãos portugueses, pelo que o acordo é positivo.

O primeiro-ministro português e o Presidente da República consideram que a proposta de acordo do Brexit é positiva, e que os termos acordados entre o Reino Unido e a União Europeia salvaguardam os direitos dos cidadãos portugueses.

O primeiro-ministro disse que o acordo para a saída do Reino Unido da União Europeia é importante para o futuro da Europa e salvaguarda direitos dos cidadãos portugueses e de produtos nacionais com denominação de origem. António Costa falava aos jornalistas em Monsanto, Lisboa, antes de presidir à cerimónia de entrega do Prémio Bartolomeu de Gusmão para distinguir inovação científica, após ser questionado sobre a posição do Governo português em relação ao projeto de acordo para a saída do Reino Unido da União Europeia.

“É particularmente positivo que entre a União Europeia e o Reino Unido se tenha chegado a um acordo que já foi aprovado pelo Governo do Reino Unido e que será agora discutido no parlamento britânico. Considero que é importante que haja um acordo, porque sem acordo seria extremamente negativo para as relações entre o Reino Unido e a União Europeia, para a economia e para a segurança dos cidadãos de um lado e de outro”, começou por salientar o primeiro-ministro.

António Costa referiu, a seguir, que o acordo “é muito extenso, com 586 páginas”, e que “o Governo português está naturalmente a apreciá-lo”. “Relativamente àquilo que são os aspetos críticos que ainda estavam em aberto, na primeira leitura está tudo consagrado face ao que eram as nossas prioridades: Defesa dos direitos dos nossos cidadãos, proteção das nossas denominações de origem” (em particular do vinho do Porto e do vinho da Madeira), salientou o líder do executivo português.

O primeiro-ministro considerou ainda que “foi encontrada uma boa solução para a questão difícil de regular a fronteira entre a Irlanda e Irlanda do Norte, garantindo simultaneamente a integridade constitucional do Reino Unido e também a integridade do mercado interno da União Europeia”.

Marcelo diz que o acordo “é francamente bom”. Mas a bola está do lado dos ingleses

O Presidente da República considerou esta quinta-feira que o esboço de acordo de saída do Reino Unido da União Europeia que se obteve, do lado europeu, “é francamente bom”, mas que “agora está do outro lado a resposta”.

“O que se obteve, do lado da União Europeia, é francamente bom, francamente bom. Mas, naturalmente, os britânicos têm uma palavra a dizer”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa, em resposta aos jornalistas, em Antígua, na Guatemala, onde chegou hoje para participar na 26.ª Cimeira Ibero-Americana.

O chefe de Estado chamou a atenção “em particular para a forma como foi salvaguardada a situação dos portugueses” que vivem no Reino Unido: “Foi uma salvaguarda que, aliás, corresponde também à equivalente salvaguarda dos britânicos vivendo em Portugal, que está à altura da nossa tradicional aliança”.

Tendo ao seu lado o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, o Presidente da República defendeu que “a União Europeia foi exemplar” nestas negociações, “foi até onde podia ir”, e que “Portugal teve um papel muito importante” neste processo.

Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou que a União Europeia “tem a sua posição estabilizada, do seu lado, o que havia a fazer, está feito” e “respeita, naturalmente, aquilo que é a manifestação da vontade também soberana dos órgãos do poder político britânico”. “Vamos ver se podemos dar os passos seguintes. Mas agora está do outro lado a resposta a essa pergunta”, concluiu.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa e Marcelo aplaudem acordo do Brexit porque salvaguarda os direitos dos portugueses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião