PGR de Angola mantém em análise processo que envolve Manuel Vicente

  • Lusa
  • 19 Novembro 2018

O processo que envolve Manuel Vicente foi transferido da justiça portuguesa para a angolana em junho deste ano. O processo está em análise, de acordo com a PGR de Angola.

O Procurador-Geral da República de Angola (PGR) disse esta segunda-feira, em Luanda, que continua a análise ao processo que envolve o ex-vice-Presidente angolano, Manuel Vicente, acusado pela justiça portuguesa de corrupção ativa, branqueamento de capitais e falsificação de documentos.

O processo que envolve Manuel Vicente foi transferido da justiça portuguesa para a angolana em junho deste ano, depois da exigência das autoridades de Luanda para que assim se procedesse, colocando em causa as relações entre os dois países.

Em declarações hoje à agência Lusa, Hélder Pitta Grós reafirmou que o processo já foi recebido em Luanda e que está a decorrer a fase de análise.

“Recebemos o processo, estamos a analisá-lo para, posteriormente, podermos avançar para a fase final”, disse Hélder Pitta Grós, salientando que tudo está a ser feito para que a sua conclusão aconteça “o mais rápido possível”.

“Estamos a fazer todo o esforço para que o mais rápido possível haja uma decisão”, acrescentou.

Questionado se o ex-vice-Presidente de Angola já tinha chegado a ser ouvido, Hélder Pitta Grós informou que não, porque o processo é extenso.

“O processo é muito extenso. Só quando terminarmos a sua análise é que vamos ver que diligências é que hão de ser feitas. Não poderei adiantar agora que diligências são essas sem que esteja completada a análise de todo o processo”, frisou.

A Lusa tentou ouvir o antigo vice-Presidente de Angola, agora deputado à Assembleia Nacional, mas este recusou-se, referindo apenas que preferia não falar sobre o assunto.

Instado a comentar o facto de o seu processo ter sido remetido pelas instâncias judiciais portuguesas para Angola, Manuel Vicente considerou apenas tratar-se de “um passo”.

Angola e Portugal viram as suas relações esfriarem depois de a justiça portuguesa ter acusado o ex-vice-Presidente angolano dos crimes e corrupção ativa, falsificação de documentos e branqueamento de capitais, no conhecido processo “Operação Fizz”.

Sobre o caso, o Presidente angolano, João Lourenço, que realiza de 22 a 24 deste mês uma visita de Estado à Portugal, disse, em janeiro passado, que as relações entre os dois países iam “depender muito” da resolução do processo de Manuel Vicente e classificou a atitude da justiça portuguesa até então como “uma ofensa” para o seu país.

“Lamentavelmente (Portugal) não satisfez o nosso pedido, alegando que não confia na justiça angolana. Nós consideramos isso uma ofensa, não aceitamos esse tipo de tratamento e por essa razão mantemos a nossa posição”, enfatizou, na altura, João Lourenço.

Em maio, o Tribunal da Relação de Lisboa decidiu enviar o processo para julgamento em Luanda.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PGR de Angola mantém em análise processo que envolve Manuel Vicente

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião