Tecnológicas fazem razia na Europa. BCP arrasta Lisboa para mínimos de ano e meio

A queda das tecnológicas nos EUA pressionou as pares no Velho Continente. As bolsas europeias afundaram, assim como Lisboa. Nenhuma das cotadas escapou.

Maré vermelha nas bolsas europeias. Os principais índices fecharam em terreno negativo, num dia particularmente penalizador para as empresas do setor tecnológico. Por cá, embora nenhuma das cotadas tenha conseguido escapar, foi o BCP que se destacou, levando o PSI-20 para mínimos de ano e meio.

O Stoxx 600 recuou 1,09% esta terça-feira. A razia é justificada com as perdas registadas pelas tecnológicas do outro lado do Atlântico, depois de a Apple ter anunciado um corte na produção, o que provocou ondas de choque que se estenderam às cotadas europeias. O setor tecnológico europeu desvalorizou 1,93%.

Evolução da cotação do PSI-20

Este sentimento negativo também se fez sentir em Lisboa, com o PSI-20 a derrapar 1,51%, para 4.829,53 pontos. As perdas na tecnologia fizeram a Nos levar por tabela: as ações da telecom liderada por Miguel Almeida caíram 3,11% e estão a valer agora 4,946 euros.

Mas o índice nacional foi sobretudo penalizado pelo BCP, num dia em as ações do banco liderado por Miguel Maya caíram 2,66%, para 24,14 cêntimos. A empresa foi penalizada pelas perdas entre 2% e 5% registadas pela banca italiana, com as ações dos bancos italianos a recuarem para um mínimo de dois anos. As perdas intradiárias no setor cifraram-se entre 2% e 5%.

Em causa está o impasse em torno do Orçamento do Estado entregue pelo Governo de Giuseppe Conte a Bruxelas, que mereceu o chumbo da Comissão Europeia. O executivo está irredutível e garante que não vai apresentar uma nova versão, o que fez subir as yields da dívida pública italiana a dez anos para 3,71%, um máximo de um mês.

(Notícia atualizada pela última vez às 17h05)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tecnológicas fazem razia na Europa. BCP arrasta Lisboa para mínimos de ano e meio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião