Morais Leitão recebe diretor do DCIAP para debater corrupção

Realiza-se já no dia 22 de novembro a conferência Integridade e Responsabilidade Empresarial, a ter lugar no Auditório João Morais Leitão.

Realiza-se já no próximo dia 22 de novembro de 2018 a conferência Integridade e Responsabilidade Empresarial, a ter lugar no Auditório João Morais Leitão, na Rua Castilho, 165, em Lisboa.

Numa organização conjunta do Instituto Miguel Galvão Teles (IMGT) e do Observatório Português de Compliance e Regulatório (OPCR), a conferência junta advogados, juristas, magistrados e responsáveis institucionais para um debate amplo sobre os principais temas da atualidade em matéria de corrupção.

Com abertura de Rui Patrício, sócio da Morais Leitão e cocoordenador do IMGT, o dia arranca com um primeiro painel dedicado ao tema da prevenção da corrupção como promoção da integridade e ética empresarial, que inclui Alexandra Reis (Senior Counsel, Tabaqueira), Nuno Moraes Bastos (Chief Legal and Compliance Officer, Santander Consumer) e Tiago Félix da Costa (Sócio da Morais Leitão), com moderação de Filipe Alves (Diretor do Jornal Económico).

Segue-se a investigação da criminalidade económico-financeira, onde serão oradores Amadeu Guerra (Diretor do DCIAP), António Cluny (Representante de Portugal no EUROJUST) e João Medeiros (Sócio de PLMJ), numa conversa moderada por Filipa Marques Júnior (Sócia da Morais Leitão).

Os trabalhos recomeçam às 14h30 com um painel final sobre políticas de conflitos de interesse, que conta com Nuno Lousa (Sócio da Linklaters, Presidente da Comissão de Responsabilidade Corporativa e Anticorrupção da CCI), José Tavares (Diretor-Geral do Tribunal de Contas, Secretário-Geral do Conselho de Prevenção da Corrupção) e Cristina Vaz Tomé (Professora, Católica School of Business & Economics), com moderação de Marina Pimentel (Rádio Renascença).

O encerramento será feito por Miguel Trindade Rocha (Diretor da EY e Presidente Executivo do OPCR).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Morais Leitão recebe diretor do DCIAP para debater corrupção

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião