Três em cada quatro portugueses utilizam internet. E mais de metade troca o balcão pelo banco online

Os utilizadores de internet banking estão a aumentar a um ritmo acelerado. Em 2018, mais de metade dos utilizadores de internet já se rendeu ao banco online para manter as contas debaixo de olho.

Os utilizadores de internet banking estão a aumentar a um ritmo acelerado. Mais de metade dos usuários de internet já é adepto do banco online. Em 2018, 52% dos utilizadores de internet (dos 16 aos 74 anos) referem que utilizam o acesso online ao banco para manter as suas contas debaixo de olho.

De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), a percentagem de utilizadores de internet que admite gerir a conta bancária através de net banking revela um aumento de dez pontos percentuais, relativamente ao ano anterior.

Ainda que os números do país mostrem uma evolução positiva, continuam distantes do nível médio dos 28 Estados-membros da União Europeia (UE).

A diferença de utilizadores de internet banking entre Portugal e a UE é paralela à diferença de utilizadores de internet, no geral, entre ambos. Neste âmbito, ainda que, desde 2010, Portugal tenha vindo a aproximar-se da média da União Europeia, em 2017 o país ainda registava uma diferença de dez pontos percentuais.

Três em cada quatro utilizam a internet

Se analisarmos apenas os utilizadores de internet, no geral, 75% dos residentes em Portugal — entre os 16 e os 74 anos — referem ter usado a internet nos 12 meses anteriores ao inquérito do INE, uma “proporção que confirma a tendência de crescimento face ao início da década”, pode na nota do INE que acompanha os resultados. Em 2010, apenas 53% da população portuguesa compreendida no intervalo de idades supracitado utilizava internet.

O acesso à internet em mobilidade — ou seja, fora de casa, do local de trabalho e em equipamentos portáteis — é referido por 81% dos utilizadores de internet em 2018, o que revela que os portugueses estão, cada vez mais, ligados, independentemente do local onde estejam. A percentagem registada este ano é dois pontos percentuais inferior à registada em 2017 e duplica a proporção de há cinco anos.

Acedendo mais à internet em mobilidade, os utilizadores começam a dar preferência ao telemóvel ou smartphone, que já é o principal equipamento portátil utilizado nesta circunstância. Enquanto o telemóvel é o meio escolhido por 79% dos utilizadores de internet em mobilidade, o computador portátil assume apenas 36% das escolhas.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Três em cada quatro portugueses utilizam internet. E mais de metade troca o balcão pelo banco online

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião