A internet desigual

A internet está prestes a chegar a metade da população mundial. Mas a história de como chega a quem chega é sintomática da desigualdade global que a própria tecnologia estimula.

Numa das poucas novidades verdadeiramente interessantes da Web Summit desta semana, Tim Berners-Lee propôs uma Magna Carta para a internet, numa ação chamada ForTheWeb. Aquele que é conhecido como o criador da World Wide Web quer livrar a internet da descriminação e da manipulação política que aumentam a desigualdade e colocam a democracia em perigo – e para isso anunciou um documento que vai ser lançado em maio de 2019, precisamente quando se espera que a internet chegue a metade da população do planeta.

A ideia é instituir um princípio de igualdade no acesso à net e na partilha de informação, recusando ao mesmo tempo a censura e assegurando o direito à privacidade. Em tese, isso permitiria reduzir as diferenças entre nações, reduzindo a desigualdade global. O problema, nesta como em muitas outras áreas da sociedade, é que aquilo que dizemos querer não é aquilo que fazemos por ter. E preferimos transformar uma ferramenta de conhecimento num produto cujo acesso é vendido a retalho, que é comprado por quem pode e usado como se manda – até porque não temos literacia digital que nos permita evitar fenómenos tão básicos como os da desinformação.

Se, como a teoria económica tende a afirmar, a desigualdade é consequência de disparidades na educação e nas competências, a limitação do acesso à internet é pura e simplesmente a condenação à miséria de quem a sofre. Permitir desigualdades no acesso à internet entre países – e entre as populações de cada país – é a receita para perpetuar uma desigualdade crescente, que se vai agravar com a transição digital da economia global. Não esqueçamos que esta é a desigualdade digital que as grandes empresas desejam.

O Facebook diverte-se a “oferecer” uma solução de internet aos países em desenvolvimento que na prática confina os utilizadores ao ambiente do próprio Facebook, excluindo o restante mundo digital. Já a Alphabet (mãe da Google) entretém-se a negociar com ditadores soluções mitigadas do seu motor de pesquisa, censurando o acesso a um sexto da população mundial. Tudo em nome do aumento dos lucros, sem contemplações com princípios como direitos humanos, democracia e outras mundanidades.

Claro que estas empresas se apressaram a assinar a Magna Carta de Berners-Lee. Mas estamos muito mais longe de conseguir que um verdadeiro compromisso de princípios se estabeleça nesta questão. Hoje a net é como qualquer outro bem: escasso, regulado, sujeito a regras de mercado e a supervisão política que limita a sua expansão. O que é, aliás, uma extensão de todo o modelo tecnológico: com a crescente digitalização das sociedades, estamos a criar um ambiente promotor da desigualdade, graças a algoritmos que favorecem os preconceitos de quem os programa e cujas decisões são tidas como boas, porque “a tecnologia não engana”. Infelizmente, engana-se e erra muito.

Ler mais: Sobre este tema sugiro não um, mas dois livros. O primeiro chama-se Automating Inequality e foi escrito por Virginia Eubanks, onde expõe as muitas formas como a viragem tecnológica das sociedades prejudica invariavelmente as minorias e os mais pobres, perpetuando um ciclo de desigualdade. Outro, já publicado em 2016, é incontornável nesta questão da desigualdade global: escrito por Branko Milanovic, chama-se Global Inequality e tem edição em português pela Actual.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A internet desigual

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião