Indústria das aplicações móveis valerá 6,3 biliões de dólares em 2021

  • Juliana Nogueira Santos
  • 13 Julho 2017

Um estudo da App Annie conclui que em apenas cinco anos a indústria das aplicações móveis vai quase quintuplicar de valor. E as horas que passamos com o smartphone na mão também...

Já se terá apercebido do tempo que passa a utilizar o seu smartphone e da quantidade de aplicações que cabem num minuto de utilização, mas alguma vez pensou em que montantes é que esse tempo se traduz? A App Annie, uma empresa de análise de dados relativos às aplicações móveis, fez as contas a esta indústria que cabe nos nossos bolsos e chegou a um número: 1,3 biliões de dólares.

Mas os valores são ainda mais impressionantes quando pensamos a longo prazo: se todas as variáveis que mantiverem constantes até 2021, esta chegará a valer 6,3 biliões de dólares. Só os Estados Unidos da América, a União Europeia e a China ultrapassam, em termos de Produto Interno Bruto, as previsões da empresa para este mercado em expansão.

Biliões de horas de polegar em riste

As previsões alargam-se também ao que diz respeito ao universo de utilizadores e ao tempo que estes passam de polegares em riste. Por entre ferramentas sociais, de navegação ou de serviços diversos, atualmente o universo de utilizadores é de 3,4 mil milhões de pessoas, prevendo-se que daqui a cinco anos este duplique de tamanho e passe a ser de 6,3 mil milhões. Isto equivale a um valor anual de despesa que aumenta dos 379 para os 1.008 dólares por pessoa.

Quanto ao tempo passado a usar as diversas aplicações móveis, atualmente é de 1,6 biliões de horas. No período analisado pela App Annie prevê-se que este aumente para 3,5 biliões de horas.

Cada interação traduz-se em lucro

Ainda assim, as interações dos utilizações traduzem-se em lucros de diferentes maneiras. A App Annie distinguiu três tipos diferentes de interações, sendo eles as compras nas lojas de aplicações, as receitas dos anúncios e as transações dentro das aplicações. Assim, é o terceiro tipo de interação que mais dinheiro traz às empresas, com os utilizadores a gastarem 1,18 biliões de dólares em compras nas aplicações.

A publicidade dentro das aplicações rende 72,4 mil milhões de dólares, enquanto as descargas nas lojas — como a Google Play ou a iOS App Store — rendem 61 mil milhões. Os números para 2021 são exponencialmente maiores, com as transações nas aplicações a valerem 6 biliões de dólares, os anúncios 202,1 mil milhões e as descargas 139 mil milhões.

Este cenário é ideal para a proliferação deste tipo de transações, numa altura em que a popularidade de serviços como a Uber, o home banking e as fintech se encontra em sentido ascendente. Com o aumento de utilizadores, espera-se que as empresas invistam cada vez mais em aplicações e em inovações neste campo. Não são só os consumidores que ficam a ganhar.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Indústria das aplicações móveis valerá 6,3 biliões de dólares em 2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião