Tesla reduz preços de carros na China para compensar tarifas da guerra comercial

Depois de ter aumentado os seus preços para compensar o peso da guerra comercial de Trump e Jinping, Musk prepara-se para mudar de estratégia.

A fabricante automóvel liderada por Elon Musk vai alterar a sua estratégia na China. Para compensar as tarifas aduaneiras aplicadas no quadro da guerra comercial entre Washington e Pequim, a Tesla vai reduzir os preços de dois dos seus modelos: o Model X e o Model S. A medida tem como objetivo tornar estes veículos mais “acessíveis”, avança a Reuters, esta quinta-feira.

“Estamos a absorver uma parte significativa das tarifas de modo a tornar os nossos carros mais acessíveis para os nossos clientes na China”, explica a empresa, em comunicado citado pela agência noticiosa.

De acordo com a fabricante, o corte nos preços deverá variar entre 12% e 26%. Tal reflete uma alteração na estratégia da Tesla, que tinha sido das primeiras empresas automóveis a aumentar os seus preços, em resposta à escalada das tarifas aduaneiras. Deste modo, desde julho, os preços dos modelos agora referidos subiram cerca de 20%.

Esse agravamento dos preços resultou, contudo, numa queda das vendas da gigante de Musk, o que explica não só o corte anunciado esta quinta-feira como também o reforço do investimento da empresa na sua primeira fábrica em território sínico (excluindo esses veículos das tarifas).

As tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China tiveram início em janeiro deste ano. Para compensar o défice comercial registado pelos EUA em relação a Pequim, Donald Trump decidiu impor tarifas aos produtos sínicos, o que fez Xi Jinping aplicar tarifas semelhantes a vários bens importados dos Estados Unidos, incluindo automóveis.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tesla reduz preços de carros na China para compensar tarifas da guerra comercial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião