Juros da dívida italiana caem para mínimos de dois meses com possível revisão do défice. Bolsas em alta

O primeiro-ministro italiano mostrou abertura para dialogar com a União Europeia, de forma a evitar sanções. Os mercados estão a reagir positivamente.

Os juros da dívida italiana caíram cerca de 30 pontos base, atingindo mínimos de dois meses, depois de o primeiro-ministro mostrar abertura para baixar a meta do défice.

A meta do défice pode descer até aos 2%, segundo indicaram fontes do Governo à agência Reuters. O primeiro-ministro italiano disse estar confiante que o diálogo com Bruxelas vai evitar sanções contra o país por razões orçamentais. A Comissão Europeia tinha dado na semana passada o primeiro passo para sancionar a Itália pelo desvio “particularmente grave” das regras europeias inscrito na sua proposta orçamental para 2019.

A descida dos juros está a contagiar as outras praças europeias. O Stoxx 600, índice que agrega as principais cotadas europeias, soma 1,17%. Itália está em alta, com o índice de referência a valorizar 2,90%. Por cá, o PSI-20 está pintado de verde, e já sobe mais de 1%. Os juros da dívida italiana a dez anos aliviam 18 pontos base para os 3,234%.

A mudança de posição do Governo italiano motivou alguma surpresa. Um analista, citado pela Reuters, indica que não compreende porque é que Itália está a ceder agora, já que “as reações no spread não foram muito expressivas depois de o orçamento permanecer inalterado”.

O chumbo da Comissão Europeia ao Orçamento do Estado de Itália para o próximo ano foi uma decisão inédita. A proposta previa um défice de 2,4% do PIB para 2019. O Governo italiano irá agora reunir para discutir os próximos passos.

(Notícia atualizada às 10h15)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juros da dívida italiana caem para mínimos de dois meses com possível revisão do défice. Bolsas em alta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião