Livros e chocolates vão ser os presentes mais oferecidos pelos portugueses neste Natal

Os portugueses oferecem livros e chocolates e vão comprá-los, sobretudo, a centros comerciais. As ideias de presentes vêm, muito provavelmente, da internet.

Com o mês de dezembro a chegar, a correria aos centros comerciais para comprar as prendas de Natal começa a sentir-se por todo o país. Este ano, na hora de desembrulhar os presentes, é mais provável que receba chocolates ou livros. É que, de acordo com o Estudo de Natal de 2018 da Deloitte, estas vão ser as prendas mais oferecidas pelos portugueses à família e aos amigos.

Quanto ao local predileto para fazer as compras natalícias, os centros comerciais continuam no centro das preferências dos portugueses, pelo menos de 67% dos consumidores.

Ainda que chocolates (54%) e livros (53%) sejam os presentes mais prováveis de receber pelas mulheres, os homens recebem, também, com regularidade bebidas. E quanto à faixa etária, também há diferenças. A população mais jovem estima receber, principalmente, roupa e chocolates. As crianças vão receber, sobretudo, como habitualmente, brinquedos. Já os jogos vão diretamente para o sapatinho dos adolescentes.

Este ano, ao contrário do que se tem verificado, a roupa de desporto entra no top 10 de presentes mais prováveis de receber pelos portugueses, substituindo o lugar que era ocupado pelos restaurantes.

Presente vem, provavelmente, de um centro de comercial… ou de um outlet

Os centros comerciais são o local preferido dos portugueses para fazer as compras de Natal, uma escolha que — apesar da redução de 74% para 67% — se encontra muito acima da média europeia. Os hipermercados e supermercados ocupam o segundo lugar das escolhas, mais uma vez com uma proporção superior à de todos os países europeus inquiridos. As lojas de rua são, por sua vez, a terceira escolha mais mencionada pela população portuguesa.

Os centros comerciais têm sido sempre a escolha número um dos portugueses na hora de comprar as prendas de Natal

De salientar ainda que os portugueses são, também, os que mais tencionam comprar presentes em outlets.

“No que se refere à média dos países europeus, a população tenciona comprar a maioria dos seus presentes em cadeias de retalho especializado, tendo como segunda maior opção a compra em hipermercados e supermercados. As lojas de rua são as que sofrem um maior decréscimo face ao ano de 2017, sendo os polacos os seus maiores adeptos, assim como das lojas de luxo”, pode ler-se.

Internet está para as ideias como as lojas físicas para as compras

Já fazer as compras através da internet não é uma opção com relevo entre os portugueses. Apenas a faixa etária mais jovem da população, entre os 18 e os 34 anos, é que adere com alguma expressão a este tipo de consumo. Contudo, os portugueses, de uma maneira geral, preferem — sem dúvida — comprar as prendas de Natal em lojas físicas (85%) e pagar com cartão de débito, seguindo-se o pagamento em dinheiro.

A internet assume, assim, outra função. Serve, por sua vez, para pesquisar determinados produtos, procurar ideias de presentes e verificar e comparar preços.

O canal digital mais utilizado pelos portugueses para obter ideias de presentes é o website das lojas, seguindo-se os motores de pesquisa como, por exemplo, o Google

A realidade portuguesa segue, de resto, a tendência registada na Europa, mas com algumas diferenças. “No que se refere ao tipo de presente mais procurado, estamos em linha com os resultados obtidos na Europa, mas somos um dos países mais conservadores na utilização do comércio eletrónico, quando comparados com a generalidade dos europeus. Regista-se, no entanto, um aumento na adesão ao m-commerce [mobile commerce]”, refere Pedro Miguel Silva, associate partner da indústria de consumer da Deloitte, citado em comunicado.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Livros e chocolates vão ser os presentes mais oferecidos pelos portugueses neste Natal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião