Rússia e Arábia Saudita vão garantir novo corte de produção petrolífera, segundo Putin

O presidente russo afirmou que o montante ainda não está decidido mas que ambos os países (os dois maiores produtores dentro do atual acordo) vão defender um aprofundamento da estratégia, no dia 6.

A Rússia e a Arábia Saudita vão pedir a extensão do corte de produção petrolífera pelos principais exportadores do mundo, na reunião que vai acontecer esta quinta-feira. Vladimir Putin garantiu que os dois países têm uma estratégia alinhada, apesar de ainda não ser conhecido qual o montante do novo corte. Os preços da matéria-prima sobem após as declarações do presidente russo.

“Ainda não há uma decisão final sobre volumes, mas juntamente com a Arábia Saudita, vamos conseguir”, disse Putin, em declarações citadas pela agência Bloomberg. A certeza deve-se à reunião que teve com o líder saudita, o príncipe Mohammed bin Salman, este fim de semana, à margem do G20.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) — de que a Arábia Saudita é o maior produtor de petróleo — e outro grupo de países exportadores — de que a Rússia é o principal estado — têm atualmente em curso um acordo de cortes de produção, que visa equilibrar oferta e procura com o objetivo de fazer subir gradualmente os preços. Esta quinta-feira, reúnem-se em Viena para debater a estratégia para o próximo ano.

O ministro da Energia dos Emirados Árabes Unidos, Suhail Al Mazrouei disse também estar otimista sobre um acordo para a redução na produção em 2019. Os preços estão a reagir, esta segunda-feira, com o crude WTI a subir 3,22% para 52,57 dólares por barril e o brent londrino 2,94% para 61,21 dólares.

Ao longo do ano, a diminuição na produção, acompanhada por instabilidade geopolítica, pressionou os preços em alta. No entanto, esta subida acabou por tornar a exploração de petróleo de xisto mais rentável, levando a uma subida deste segmento, em particular nos EUA, e a uma compensação no petróleo que é injetado no mercado.

Na semana passada, o preço do petróleo chegou a negociar abaixo dos 50 dólares. O presidente norte-americano Donald Trump, que tem sido crítico da OPEP e aliados, elogiou a descida. Mas os países do acordo apressaram-se em garantir que iam trabalhar para um novo equilíbrio.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rússia e Arábia Saudita vão garantir novo corte de produção petrolífera, segundo Putin

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião