Bruxelas quer reforçar o euro nas transacções internacionais. A energia pode ser um primeiro passo

  • Vasco Gandra, em Bruxelas
  • 5 Dezembro 2018

Pacote de medidas da Comissão pretende reforçar o euro como moeda de referência nas transacções a nível global, sobretudo na área da energia.

Valdis Dombrovskis, Miguel Arias Cañete e Pierre Moscovici, na conferência de imprensa sobre o papel internacional do euro.EC - Audiovisual Service 5 Novembro, 2018

Bruxelas quer reforçar a moeda europeia a nível mundial por forma a refletir o real peso político, económico e financeiro da zona euro. O euro é a segunda moeda mundial utilizada por 340 milhões de pessoas. Sessenta países ligam de uma forma ou de outra a sua moeda ao euro, mas a Comissão Europeia considera que é possível fazer mais a nível global.

Nesse sentido, apresentou esta quarta-feira um pacote de medidas que passam pelo reforço das infraestruturas dos mercados financeiros europeus, garantir um enquadramento fiável dos índices de referência das taxas de juro e pelo desenvolvimento do sistema de pagamentos instantâneo integrado na UE.

Bruxelas também quer aumentar o número de transações realizadas na moeda europeia. O executivo comunitário pede aos Estados-membros que promovam o pagamento em euros em setores estratégicos como a energia. Atualmente, a Europa paga 80% da energia que importa em dólares — uma fatura de cerca de 300 mil milhões de euros anuais –, mas só 2 % das importações energéticas da UE provêm dos Estados Unidos. Por outro lado, é recorrente empresas europeias utilizarem o dólar entre elas correndo os riscos do câmbio. Por isso, a Comissão apresentou também uma recomendação que visa promover o euro nas transações internacionais na área energética.

“O reforço do papel internacional do euro em matéria de investimentos e de trocas comerciais na área da energia contribuirá para reduzir o risco de ruturas no fornecimento e estimulará a autonomia das empresas europeias”, afirmou o comissário da Energia Miguel Arias Cañete.

O reforço do papel internacional do euro em matéria de investimentos e de trocas comerciais na área da energia contribuirá para reduzir o risco de ruturas no fornecimento e estimulará a autonomia das empresas europeias.

Miguel Arias Cañete

Comissário europeu da Energia

A Comissão quer também avançar com uma série de iniciativas relacionadas com o sistema financeiro internacional. Propõe maior cooperação entre os bancos centrais para reforçar a estabilidade financeira, aumentar a percentagem de títulos de dívida emitidos em euros e desenvolver uma diplomacia económica mais proativa na promoção global da moeda europeia.

A Comissão sublinha ainda que é necessário completar a União Económica e Monetária, a União Bancária e a União de Mercados de Capitais. Até agora, só sete das quarenta propostas apresentadas pela Comissão foram aprovadas pelos colegisladores – Parlamento e Conselho. Entretanto, o Eurogrupo alcançou esta semana um acordo de mínimos sobre algumas reformas para reforçar a zona euro mas duas das medidas mais emblemáticas — criação de uma capacidade orçamental na zona euro e de um sistema europeu de garantia de depósitos — ainda estão longe de ser consensuais entre os Estados-membros.

A Comissão acredita que o reforço global do euro pode consolidar a resiliência do sistema financeiro internacional oferecendo aos mercados uma escolha mais ampla e tornando a economia global menos vulnerável aos choques. Considera ainda que reforça a proteção das empresas europeias reduzindo custos e riscos.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas quer reforçar o euro nas transacções internacionais. A energia pode ser um primeiro passo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião