Fisco acaba com faturas em papel já em janeiro

  • ECO
  • 5 Dezembro 2018

A partir de janeiro de 2019 acabam as faturas em papel e as transações passam a ser transmitidas em tempo real às Finanças. Os clientes só recebem a fatura se o solicitarem.

É mais um passo para a desmaterialização total das faturas. A partir de janeiro de 2019 acabam as faturas em papel e as transações passam a ser transmitidas em tempo real às Finanças, avança esta quarta-feira o Jornal de Notícias (acesso pago)

Assim, os clientes só recebem a fatura se o solicitarem. Apesar de a entrada em vigor estar já agendada para o próximo ano, a Comissão de Proteção de Dados deu um parecer negativo à medida.

Esta medida já tinha sido anunciada em junho, no âmbito de mais um pacote de medidas do Simplex+. Mas para que os consumidores possam deixar de acumular faturas em papel na carteira, os comerciantes têm de instalar os programas necessários para estabelecer uma ligação direta à Autoridade Tributária. Este projeto estava a decorrer em paralelo com um outro, tal como foi avançado pelo Expresso, que passava por obrigar as faturas a terem um QR Code de modo a que os consumidores possam transmitir diretamente as faturas ao e-fatura. Desta forma, os consumidores deixam de ser obrigados a dar o número de contribuinte ao comerciante que, por outro lado, vê reduzida a margem para eliminar os registos de vendas.

Mas há mais uma novidade para o próximo ano em termos fiscais. O pré-preenchimento das declarações de IVA vai ser alargado, com o objetivo final que tudo venha a ser automatizado, tal como anunciou a semana passada o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça. A justificação do responsável foi “fomentar o cumprimento voluntário através de processos simples e inovadores”. Mas, a bastonária da Ordem dos Contabilistas Certificados alerta que este automatismo exige uma “atenção redobrada” na verificação das declarações de IVA.

O “automático é relativo, nunca é total. A máquina é cega e pode enganar-se. Ou o Fisco se compromete e garante que o que está lá está certo – e não o faz – ou então tudo tem de ser verificado, e verificar, às vezes, dá mais trabalho do que fazer”, disse Paula Franco em declarações ao Jornal de Negócios (acesso pago). O Estado “não está preocupado em tirar trabalho aos contribuintes, mas sim em arrecadar e garantir receita. Se o contribuinte ficar prejudicado, é um problema do contribuinte”, defende.

O automático é relativo, nunca é total. A máquina é cega e pode enganar-se. Ou o Fisco se compromete e garante que o que está lá está certo – e não o faz – ou então tudo tem de ser verificado, e verificar, às vezes, dá mais trabalho do que fazer.

Paula Franco

Bastonária da Ordem dos Contabilistas Certificados

O Fisco vai usar as informações que tem do seu lado e com elas pré-preencher as declarações trimestrais dos contribuintes que cobram IVA. Numa primeira fase só vai estar operacional o pré-preenchimento com os dados das faturas e faturas-recibo emitidas no Portal das Finanças pelos contribuintes sem contabilidade organizada. Depois, ao longo de 2019 esse preenchimento prévio vai sendo alargado.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fisco acaba com faturas em papel já em janeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião