Governo quer alargar licenças parentais e abono de família

  • ECO
  • 5 Dezembro 2018

Executivo vai apresentar esta quarta-feira o "Programa para a conciliação da vida profissional, pessoal e familiar" que contém 33 medidas, como alargar licenças parentais e limitar horário dos pais.

O Governo vai apresentar esta quarta-feira as medidas do “Programa para a conciliação da vida profissional, pessoal e familiar” – “3 em Linha” – para alargar as licenças parentais e aumentar os abonos de família, noticiam o Diário de Notícias e o Jornal de Negócios (acesso pago).

Uma das medidas visa “o alargamento da licença parental inicial exclusiva do pai de 15 para 20 dias úteis” e, nos casos em que as mães não são elegíveis para licença de maternidade — se estiverem desempregadas, por exemplo — os pais passam a ter direito a uma licença facultativa de 15 dias.

Em termos de abono de família, a proposta do Governo — que ainda vai ser discutida com os parceiros sociais em sede de concertação — é “majorar o montante em função da idade, nos primeiros seis anos de vida” e, além disso, “alargar a majoração em agregados familiares com dois ou mais filhos, para crianças com menos de 12 meses”, segundo o preâmbulo do programa a que o Diário de Notícias teve acesso.

No total, o programa contém 33 medidas que ainda não estão calendarizadas e vão ser apenas aplicadas através de um projeto-piloto em 45 organizações: 21 serviços/organismos da administração pública central e empresas públicas, 11 câmaras municipais e 13 empresas privadas. “Práticas laborais” como o “teletrabalho, horários adaptados, horas-limite para reuniões, ginástica laboral” e o “desenvolvimento de sistemas de apoios pessoais e familiares (formação, incentivos à partilha das licenças entre pais e mães, protocolos com entidades prestadoras de serviços em áreas diversas como a saúde, cuidado de pessoas em situação de dependência, desporto, cultura e lazer)” vão ser algumas medidas a levar a cabo.

A ministra da Presidência e Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques, sublinhou, em declarações à Sic Notícias, esta manhã, que o Governo encontrou uma grande sensibilidade para este problema junto das vários intervenientes no programa. “Todos queremos ter nos nossas organizações pessoas que se sentem melhor”, frisou. Maria Manuel Leitão Marques é juntamente com o ministro do Trabalho e da Segurança Social a responsável pela elaboração deste programa que vai ser apresentado esta quarta-feira com a presença do primeiro-ministro António Costa.

O Estado compromete-se ainda a “reforçar a cobertura das respostas para crianças até aos três anos nas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto, tendo em conta designadamente os movimentos pendulares de/para o local de trabalho” e a “alargar a rede de serviços e equipamentos sociais dirigidos às pessoas com dependência e/ou deficiência, valorizando as candidaturas que visem a adaptação de equipamentos vazios”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo quer alargar licenças parentais e abono de família

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião