Estivadores alemães criam obstáculos à Autoeuropa. Ministra alerta para viabilidade do Porto de Setúbal

  • ECO
  • 6 Dezembro 2018

Apesar de ter recorrido aos estivadores alemães, a Autoeuropa continua a ter dificuldades em exportar automóveis. Para a ministra do Mar, a falta de um acordo pode prejudicar o Porto de Setúbal.

O cenário parece não ser positivo para a Autoeuropa que, mesmo recorrendo a meios alternativos para exportar os veículos, para contornar a greve dos estivadores no Porto de Setúbal, se vê confrontada com novas dificuldades. Apesar de ter recorrido a trabalhadores externos para embarcar os automóveis, os estivadores alemães também dificultaram o processo. A ministra do Mar acredita que será possível chegar a um acordo entre os estivadores e a administração do Porto de Setúbal mas, caso as coisas não mudem, o porto “deixará de ser viável”.

Na sequência da paralisação dos trabalhadores precários do Porto de Setúbal, a fábrica de Palmela recorreu a trabalhadores externos para embarcar os mais de 2.000 automóveis, através de um navio “fantasma”, algo que foi fortemente contestado pelos estivadores da “casa”. O problema é que, mesmo assim, as dificuldades persistiram. De acordo com o jornal I, à chegada à Alemanha os estivadores do porto de Emden dificultaram o processo de descarregamento das viaturas.

Esta atitude por parte dos trabalhadores do Porto de Emden é justificada pela influência exercida pela Federação Internacional de Trabalhadores de Transporte (FITT) nos estivadores daquele porto, para que estes se mostrassem solidários com os colegas portugueses. E foi o que aconteceu.

A solidariedade para com os estivadores nacionais não se ficou apenas pelo descarregamento do navio fantasma. De acordo com o jornal I, os estivadores alemães também dificultaram o envio de motores para Portugal. A falta de componentes forçou a fábrica de Palmela a voltar a interromper a produção por falta de componentes, tal como o ECO avançou em primeira mão. A Autoeuropa já tinha sido obrigada a suspender um turno, no final de novembro, por falta de peças, mas dessa vez o problema foram os camiões retidos em França, por causa dos protestos dos coletes amarelos.

Futuro do Porto de Setúbal em risco, alerta ministra do Mar

Na passada sexta-feira, naquele que foi o terceiro dia de negociações entre os estivadores e a administração do Porto de Setúbal, não foi possível chegar a um acordo. Do lado da Operestiva, as negociações falharam devido à “intransigência dos representantes sindicais quanto ao Porto de Leixões e Sines” mas, do lado do Ministério do Mar — que mediu estes encontros –, a culpa é dos representantes do sindicato dos estivadores que querem utilizar os trabalhadores “como moeda de troca para uma luta de poder sindical”.

Ainda assim, após este desfecho, Ana Paula Vitorino ainda acredita num acordo. “Continuamos a ter encontros bilaterais com cada uma das partes. Julgo que a solução está muito mais perto do que se possa pensar”, disse, em entrevista ao Público e à Renascença. Para a ministra do Mar, “é absolutamente essencial resolver a questão do Porto de Setúbal” e não se pode aceitar que exista um número tão elevado de trabalhadores eventuais.

“Não é aceitável que uma infraestrutura como aquela, que serve de suporte para as exportações, prejudique as empresas”, continuou, afirmando que terá de ser um acordo que “acabe com a precariedade” no Porto de Setúbal e que defina o número de pessoas a admitir.

Questionada se a impossibilidade de se alcançar um acordo poderá pôr em causa o futuro do Porto de Setúbal, Ana Paula Vitorino não hesitou: “Pode, com certeza. É isso que está em causa. Se continuarmos por este caminho, o porto de Setúbal deixará de ser viável e ficarão postos de trabalho em causa, empregos diretos e indiretos“.

Comentários ({{ total }})

Estivadores alemães criam obstáculos à Autoeuropa. Ministra alerta para viabilidade do Porto de Setúbal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião