Com greve no porto de Setúbal, Autoeuropa recorre a Leixões para escoar produção

Com a greve no porto de Setúbal ainda dependente da reunião que vai decorrer esta tarde com a ministra Ana Paula Vitorino, a Autoeuropa recorreu ao Porto de Leixões para escoar produção.

A Autoeuropa começou esta segunda-feira a escoar a sua produção através do Porto de Leixões, devido à greve que persiste em Setúbal. A fábrica de Palmela enviou 700 veículos para exportação através deste porto no norte do país.

“A Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL) iniciou hoje a receção de 700 automóveis provenientes da Autoeuropa“, confirmou a empresa em comunicado enviado às redações.

“Este novo serviço será uma mais-valia para Leixões e para o país, que verá reforçada a sua capacidade exportadora, como para a Autoeuropa, que encontra no nosso porto uma opção eficiente para escoar os seus automóveis”, refere ainda a administração portuária na mesma nota.

A Autoeuropa tem sido afetada pela greve de estivadores do porto de Setúbal que exigem um contrato coletivo de trabalho. O protesto começou a 5 de novembro apenas com os trabalhadores eventuais do porto, mas agora o protesto é mais abrangente. Esta tarde está marcada uma reunião entre a ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, com os sindicatos dos estivadores e a administração do Porto de Setúbal, por causa do conflito laboral.

Na semana passada, os estivadores impediram a entrada de um autocarro que transportava trabalhadores para os substituir no carregamento de um navio com viaturas da fábrica da Autoeuropa, mas acabaram por ser retirados por elementos da PSP. A Autoeuropa chegou a ter cerca de cinco mil veículos retidos no porto de Setúbal.

Segundo a administração do porto de Leixões, a infraestrutura portuária “estará até ao final de 2018 capacitada para parquear 5.000 automóveis”, um reforço que visa dar “resposta às necessidades de exportação de automóveis”. Leixões é o principal porto do país em movimentação de carga roll-on/roll-off, “serviço necessário à movimentação de veículos na área portuária”, explica o comunicado. Em 2017, este segmento de carga cresceu 18% em Leixões, registando um movimento de um milhão de toneladas de mercadoria.

(Notícia atualizada)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Com greve no porto de Setúbal, Autoeuropa recorre a Leixões para escoar produção

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião