Wall Street respira de alívio. Apple recupera apesar de proibição de vender alguns modelos de iPhone na China

As fortes quedas da semana passada penalizaram o início da sessão, mas as principais bolsas norte-americanas inverteram a tendência e fecharam em terreno positivo.

Wall Street viveu esta segunda-feira uma sessão volátil, mas acabou por fechar em terreno positivo. Os ganhos no setor da tecnologia ajudaram as principais bolsas norte-americanas a recuperarem das fortes quedas na semana passada e foram suficientes para que os investidores ignorassem a incerteza na Europa, em relação ao Brexit.

O índice industrial Dow Jones subiu 0,13% para 24.420,89 pontos, o financeiro S&P 500 avançou 0,17% para 2.637,51 pontos e o tecnológico Nasdaq ganhou 0,74% para 7.020,52 pontos.

A Apple esteve em destaque depois de o fabricante de ‘chips’ norte-americano Qualcomm anunciou esta segunda-feira que um tribunal chinês aceitou as reclamações contra a Apple por alegada violação de patentes e que ordenou a empresa a não vender alguns modelos de iPhone na China. Após um início de sessão em queda, a empresa liderada por Tim Cook valorizou 0,66% para 169,60 dólares por ação.

A Tesla subiu 2,01% para 365,15 dólares por ação, apesar de o CEO, Elon Musk, ter feito novas declarações polémicas. Um mês depois de ser multado em 20 milhões de dólares por ter dado informações falsas aos investidores, Musk ainda tem uma palavra a dar ao supervisor norte-americano dos mercados de capitais. “Eu quero ser claro: não respeito a SEC” (a congénere da CMVM nos EUA), disse o presidente executivo de empresas como a Tesla e a SpaceX.

No mercado cambial, a divisa norte-americana apreciou-se 0,23% contra o euro para 1,1353 dólares. A yield das Treasuries a 10 anos avançaram 0,89 pontos para 2,853%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street respira de alívio. Apple recupera apesar de proibição de vender alguns modelos de iPhone na China

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião